Thiago Barros

Após a pandemia voltar ao normal será um reinício

Não existirá novo normal

Thiago
Thiago Barros / Editor-Chefe TOMMO
Após a pandemia voltar ao normal será um reinício
Pixabay

16 de julho de 2021 - 17:10 - Atualizado em 16 de julho de 2021 - 17:12

Essas últimas semanas tive dias atípicos desde o início da pandemia de Covid-19, coisas do meu normal que não aconteciam há 1 ano e 4 meses. Com a mudança da bandeira para amarela em Curitiba, começou a chegar Press kit e convites para eventos que seguem todos os protocolos de segurança da Organização Mundial da Saúde (OMS), e também algo que me deixou muito contente, a volta das cabines de imprensa, já que os cinemas reabriram.

Ir a esses locais, cinema, teatro, bar, eventos… faz parte do meu trabalho, para que eu possa informar você sobre o entretimento. Nessa última quinta-feira, fui a um bar a convite deles, para o Festival Crossroads – Dia Mundial do Rock. Fazia muito tempo que não curtia um show, sentir o vibrar dos instrumentos no corpo, falar alto e ficar sem voz, ah como é bom né? Essa saída após mais de um ano sem saber o que é um show me fez ver algo.

Se fala muito sobre o “novo normal” mas após tudo isso, será mesmo que é possível voltar de onde estávamos antes da pandemia? Ao meu ver não. Após uma experiência dessa, o medo, isolamento social, mortes, queda da economia – cenário esse, muito similar ao de guerra – fica sequelas, tudo vai mudar, vamos reiniciar.

Além do medo de contrair a doença, a COVID-19 tem provocado sensação de insegurança em todos aspectos da vida, da perspectiva coletiva à individual, do funcionamento diário da sociedade às modificações nas relações interpessoais. Quanto à saúde mental, é importante dizer que as sequelas de uma pandemia são maiores do que o número de mortes. Os sistemas de saúde dos países entram em colapso, os profissionais de saúde ficam exaustos com as longas horas de trabalho e, além disso, o método de controle mais efetivo da doença, que é o distanciamento social, impacta consideravelmente a saúde mental da população [fonte Estudos de Psicologia (Campinas)].

Constatei isso ontem – foi incrível estar no bar, no show, sorrindo, cantando e bebendo – sensação que descrevi no artigo da semana passada, como “a luz no fim do túnel” com o avanço da vacinação. Entretanto, assim como tudo nesses últimos tempos, tem o “mas”. Estive no mezanino, mesa reservada para imprensa, o local segue todos os protocolos de segurança: mesas devidamente espaçadas, público reduzido, uso obrigatório de máscara, medição de temperatura e não poder dançar (sair da sua mesa).

A sensação era ótima, prazerosa – estou fora de casa, estou em um show, na medida do possível com segurança – porém, você se mantem vigilante, está sempre em alerta, não se tranquiliza, mesmo já tendo a primeira dose do imunizante. A sensação tira um pouco do prazer. O estado de alerta do corpo deve ser por um curto período de tempo (para fuga ou combate), estamos nesse alerta constante a mais de 1 ano, isso é péssimo para o corpo e psicológico.

E no outro dia, você acorda com medo, medo de ter saído de casa, de ter se colocado em risco. Assim como o câncer, quem já o enfrentou fica preso a uma paranóia de que qualquer anormalidade no corpo é câncer. É horrível viver assim. A pandemia nos trouxe o medo de sair de casa, de estar perto de pessoas, e isso vai se perdurar mesmo após todos estarem vacinados, pois é uma sequela, leva tempo para corrigir o dano.

Irei continuar meu trabalho, vigilante. Se cuide, fique bem. Vamos vencer isso tudo, vamos recomeçar.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.