Tecnologia

Fornecedoras de Apple e Tesla suspendem parte de produção na China

Reuters
Reuters

27 de setembro de 2021 - 11:02 - Atualizado em 27 de setembro de 2021 - 11:02

BENGALURU, Índia (Reuters) – Várias fornecedoras de Apple e Tesla suspenderam a produção em fábricas chinesas por vários dias para cumprir com regras de redução no consumo de energia.

Duas grandes fabricantes de chips taiuanesas, no entanto, disseram que suas instalações na China estão operando normalmente.

A fornecedora da Apple Unimicron Technology na noite de domingo disse que três de suas subsidiárias na China interromperam produção do meio-dia de 26 de setembro até meia-noite de 30 de setembro para “cumprir a política de limitação de consumo de eletricidade dos governos locais”.

A fabricante taiuanesa de placas de circuito impresso disse que não espera um impacto significativo, já que outras fábricas farão parte da produção paralisada.

Eson Precision, uma afiliada da taiuanesa Hon Hai Precision Industry (Foxconn), disse em um comunicado que suspendeu a produção de domingo até sexta-feira na cidade chinesa de Kunshan.

A Concraft Holding, fornecedora de componentes de alto-falantes para o iPhone e que possui fábricas na cidade de Suzhou, disse que vai suspender a produção por cinco dias até o meio-dia de quinta-feira e usará o estoque para atender à demanda.

As fabricantes de chips United Microelectronics (UMC) e a Taiwan Semiconductor Manufacturing disseram à Reuters que não houve impacto em suas fábricas na China.

Duas fontes familiarizadas com o assunto disseram à Reuters que as instalações da Foxconn em Kunshan observaram um impacto “muito pequeno” na produção. A Foxconn teve que “ajustar” uma pequena parte de sua capacidade lá, que inclui a fabricação de notebooks que não são da Apple, disse uma das fontes, acrescentando que a empresa não viu nenhum impacto em outros grandes centros de produção na China.

A segunda fonte disse que a empresa teve que alterar alguns turnos de trabalhadores de Kunshan do final de setembro para o início de outubro.

A Foxconn, uma grande fornecedora da Apple, não quis comentar.

(Por Kanishka Singh em Bengaluru e Ben Blanchard e Yimou Lee em Taipé)