Tecnologia

Espanhola Telefonica mira até 4 mil demissões voluntárias nos próximos meses

Reuters
Reuters
Espanhola Telefonica mira até 4 mil demissões voluntárias nos próximos meses
Logotipo da empresa Telefonica em sua sede em Madri, Espanha

11 de novembro de 2021 - 14:50 - Atualizado em 11 de novembro de 2021 - 14:50

Por Clara-Laeila Laudette

MADRI (Reuters) – A operadora de banda larga e móvel espanhola Telefonica planeja cortar entre 2 mil e 4 mil empregos por meio de demissão voluntária no primeiro semestre de 2022, disse à Reuters uma fonte com conhecimento do assunto nesta quinta-feira.

A empresa, carregada de dívidas, deve iniciar as negociações com os sindicatos no fim de novembro, disse a fonte, com critérios de demissão incluindo idade e antiguidade.

“É verdade que parte da força de trabalho quer esses pacotes. Algumas pessoas fizeram seus cálculos e esperam chegar a uma certa idade”, disse Diego Gallart, porta-voz do sindicato UGT, que representa a maioria do pessoal da Telefonica. A aceitação de pacotes de saídas anteriores foi de cerca de 65% a 70% dos elegíveis, disse ele.

“Mas a destruição de empregos é sempre uma má notícia, especialmente no setor de telecomunicações, onde as funções são bem pagas e valiosas. Então, perder esses funcionários significa perder um impulsionador da atividade econômica”, acrescentou.

A Telefonica emprega diretamente 16 mil pessoas na Espanha, com quase 6 mil outros funcionários em empresas associadas cobertas pelo último acordo trabalhista. Outras 5 mil pessoas trabalham para a Telefonica Tech, unidade de serviços de nuvem, inteligência artificial, dados e segurança cibernética, não incluída no acordo.

O terceiro maior grupo de telecomunicações da Europa enfrenta intensa competição no mercado espanhol cada vez mais barato, e vem considerando cortes de empregos há meses sob pressão de investidores.

A Telefonica seria o terceiro grupo de telecomunicações grande a buscar cortes de empregos na Espanha, após a Vodafone e a Orange terem tomado medidas similares no início do ano.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHAA13B-BASEIMAGE