Tecnologia

Congresso dos EUA pede que empresas de mídia social entreguem documentos sobre invasão do Capitólio

Reuters
Reuters
Congresso dos EUA pede que empresas de mídia social entreguem documentos sobre invasão do Capitólio
Apoiadores do ex-presidente norte-americano Donald Trump protestando em Washington, EUA

27 de agosto de 2021 - 17:44 - Atualizado em 27 de agosto de 2021 - 17:45

WASHINGTON (Reuters) – A comissão parlamentar que investiga o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos Estados Unidos pediu nesta sexta-feira às principais empresas de mídia social, incluindo Facebook, Twitter e Google, da Alphabet, que entreguem registros de mensagens sobre o ataque realizado por simpatizantes de Donald Trump.

O Comitê Selecionado da Câmara dos Deputados pediu registros relacionados à violência e aos dias que a antecederam, incluindo a disseminação de desinformação e esforços para impedir a certificação da eleição do presidente Joe Biden.

As demandas também foram feitas para 4chan e 8kun.

O Twitter se recusou a comentar. TikTok e Parler não responderam imediatamente aos pedidos de comentários. As outras empresas não foram encontradas para comentários imediatos.

Facebook, Snap, Google e Reddit confirmaram que receberam o pedido e disseram que as empresas trabalhariam com o comitê.

Gab afirmou em um comunicado que recebeu uma carta do comitê, acrescentando que removeu contas “que procuravam espalhar divisão e medo” antes da posse.

O comitê está buscando registros de 2020, incluindo, se houver, mudanças de política que as empresas fizeram para desacelerar a disseminação online de informações falsas.

O ex-chefe de segurança do Facebook Alex Stamos disse que as intimações do comitê não têm o poder de forçar as empresas a entregar conteúdo privado, e que os contatos com autoridades também podem ser protegidos. Por outro lado, ele disse que análises internas sobre o que as plataformas poderiam ter feito podem moldar a compreensão do público sobre o que aconteceu e por quê.

A ampla solicitação de documentos do comitê abrangendo 15 empresas indica que este é o primeiro passo para entender como as plataformas de mídia social foram usadas para organização antes de 6 de janeiro e no dia seguinte, e provavelmente levará a várias questões, disse Graham Brookie, diretor do Laboratório de Pesquisa Forense Digital do Atlantic Council.

(Reportagem de Patricia Zengerle e Scott Malone, em Washington; Joseph Menn, em San Francisco; e Sheila Dang, em Dallas)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7Q11D-BASEIMAGE