Serviços

Londrina recebe conjunto habitacional com 866 casas

Empreendimento faz parte de uma política habitacional do governo do Estado

Carol
Carol Machado / Estagiária da equipe de estágio sob supervisão de Guilherme Becker com informações da Agência Estadual de Noticiais
Londrina recebe conjunto habitacional com 866 casas
Foto: Geraldo Bubniak/AEN

25 de janeiro de 2021 - 14:18 - Atualizado em 25 de janeiro de 2021 - 14:18

Nesta segunda-feira (25) Londrina recebeu o lançamento de 866 novas moradias populares. Esse é o primeiro passo para dar início às obras do conjunto habitacional Residencial Bem Viver” programadas para daqui a 60 a 90 dias. O investimento no projeto é de R$ 115,2 milhões.

O empreendimento faz parte de uma política habitacional do governo do Estado, que atenderá todas as camadas sociais.

“Em Londrina será um bairro planejado, pensado para lazer, mobilidade, e que vai atender pessoas que têm condições de pagar alguma prestação. A Cohapar, do outro lado, está dando as casas para pessoas que não conseguem pagar nada, além dos conjuntos habitacionais para idosos com aluguel social”, acrescentou o governador Ratinho Junior.

O empreendimento, que começa a ser comercializado agora, é o primeiro da Construtora Pacaembu, uma das maiores do País, no Paraná. O Governo do Estado, por meio da Cohapar, auxiliará o projeto com assessoramento técnico dentro do programa Casa Fácil, o que reduzirá os custos das casas. Serão gerados dois mil postos de trabalho diretos e indiretos.

Segundo o governador, esse é o primeiro projeto da Pacaembu em Londrina. Ao todo serão construídas mais de 1.400 casas nos próximos anos em dois residenciais, todas voltadas a famílias com renda mensal de até R$ 1.600,00. Além disso, a construtora projeta investimentos em Arapongas, Ponta Grossa, Cambé, Maringá e Cascavel ainda neste ano.

Parceria

O projeto habitacional será financiado pela Caixa Econômica Federal com recursos do FGTS. A participação da Cohapar envolve as questões técnicas estruturais, dentro do Chamamento Público aberto pela companhia a construtoras interessadas na construção de casas populares em todo o Paraná, possibilidade que permite auxiliar empreendimentos privados para diminuir o déficit habitacional do Estado e melhorar o acesso da primeira moradia.

Também está em avaliação a participação da Copel e Sanepar na forma de contrapartida para redução dos custos de financiamento. Isso pode ser feito com o firmamento de um convênio via Cohapar para o repasse de materiais utilizados na instalação das redes de água e esgoto, bem como nos serviços de ligação das redes de energia elétrica e ligações individuais das residências.

A Prefeitura de Londrina também é parceira institucional do projeto, por meio da Cohab Londrina. As famílias já cadastradas no órgão vão receber um comunicado sobre a comercialização das unidades, para que possam atualizar seus dados cadastrais e manifestar interesse.

Moradias populares

Os imóveis terão 46,27 metros quadrados de área construída de forma não geminada, ou seja, em lotes isolados, cujos terrenos terão, em média, 160 metros quadrados. A planta está dividida em dois quartos, sala de estar e jantar integradas, cozinha, banheiro e área de serviço, em projetos que permitem ampliações futuras pelos proprietários.

O conjunto residencial será feito de forma totalmente planejada e contará com espaços comuns de lazer e convivência, como ciclovia, pista de patins, playground, academia ao ar livre e horta, em ruas arborizadas e com acessibilidade nas calçadas. A expectativa, com o início da comercialização, é de entrega das casas em até 24 meses.

Casa Fácil Paraná

Criado como uma iniciativa de gestão, o Casa Fácil Paraná ganhou novo status com a aprovação, em 2020, da Lei Estadual 20.394. A nova legislação, de iniciativa do Poder Executivo, consolidou o programa como uma política permanente de Estado. Com isso, o número de moradias populares entregues, que já havia dobrado de 2019 para 2020, deve continuar a ser ampliado nos próximos anos.

O principal objetivo é fomentar a produção e aquisição de novas unidades habitacionais, requalificação, ampliação ou reformas de imóveis urbanos e rurais, regularização fundiária e urbanização. A lei determina que as ações serão desenvolvidas exclusivamente para famílias com renda mensal de até dez salários mínimos nacionais, com prioridades ao público com renda de até três salários mínimos mensais.

Observada a disponibilidade orçamentária e financeira, o Estado do Paraná, através do Casa Fácil, poderá conceder subvenção ao beneficiário final; viabilizar a realização de serviços de infraestrutura que reduzam o custo de produção das casas e o valor a ser pago pelas famílias beneficiadas; viabilizar a compra ou o financiamento para aquisição de áreas; caucionar os financiamentos do agente financeiro, quando for o caso; e oferecer garantias para captação de recursos privados e outras linhas de financiamento existentes.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.