Segurança

Ucrânia diz que Rússia bombardeou hospital infantil em Mariupol

Segundo governador da região de Donetsk, 17 pessoas ficaram feridas, incluindo mulheres em trabalho de parto

Reuters
Reuters
Ucrânia diz que Rússia bombardeou hospital infantil em Mariupol
A charred Russian tank is seen in the Sumy region

9 de março de 2022 - 17:09 - Atualizado em 9 de março de 2022 - 17:28

Por Natalia Zinets

LVIV, Ucrânia (Reuters) – A Ucrânia acusou a Rússia, nesta quarta-feira (9), de bombardear um hospital infantil na cidade portuária sitiada de Mariupol durante um cessar-fogo que foi acertado para permitir que civis presos na cidade pudessem escapar.

A Rússia havia dito que baixaria as armas para permitir que milhares de civis fugissem de Mariupol e outras cidades sitiadas na quarta-feira. Mas a Câmara Municipal de Mariupol afirmou que o hospital foi atingido várias vezes por um ataque aéreo.

“A destruição é colossal”, disse a Câmara em uma publicação online.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, chamou o ataque de “atrocidade”.

“Ataque direto do Exército russo ao hospital-maternidade. Pessoas, crianças estão sob os destroços”,

disse, no Twitter.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, questionado pela agência Reuters por comentários sobre o suposto bombardeio, disse: “As forças russas não atiram contra alvos civis”.

O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia publicou imagens do que disse ser o hospital, com buracos onde as janelas deveriam estar, em um prédio de três andares. Enormes pilhas de escombros fumegantes completavam a cena.

O governador da região de Donetsk disse que 17 pessoas ficaram feridas, incluindo mulheres em trabalho de parto. Os relatos não puderam ser verificados em um primeiro momento.

Antes, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que a Rússia havia violado o cessar-fogo no porto ao sul, que fica entre áreas de separatistas apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia e a Crimeia, anexada por Moscou da Ucrânia em 2014.

“A Rússia continua mantendo 400.000 pessoas como reféns em Mariupol, bloqueando auxílio humanitário e evacuações. O bombardeio indiscriminado continua. Quase 3.000 recém-nascidos não têm remédios e comida”,

escreveu no Twitter.

A Ucrânia disse que pelo menos 1.170 civis foram mortos em Mariupol desde o começo da invasão, e 47 foram enterrados em um túmulo coletivo na quarta-feira. Não foi possível verificar esses números.

Mais de 2 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia desde que o presidente Vladimir Putin lançou a invasão por terra, mar e ar em 24 de fevereiro. Moscou chama suas ações de “operação militar especial” para desarmar o vizinho e derrubar líderes que classifica como “neo-nazistas”.

O gabinete de direitos humanos da ONU em Genebra, pouco antes do relato de ataque ao hospital, disse que havia verificado 516 mortes de civis e 908 pessoas feridas desde o começo do conflito.

(Reportagem Redações da Reuters)