Segurança

Suspeito de matar sogra é orientado por advogados e fica em silêncio em interrogatório

A decisão pelo silêncio foi tomada pela defesa após Lauriano relatar, em conversa informal com a delegada, que poderia ter matado a esposa, Keury Letícia, caso tivesse encontrado ela ao invés da sogra

Daniela
Daniela Borsuk com informações de Nader Khalil, da RIC Record TV Curitiba

Lauriano dos Santos Souza, acusado de matar a sogra Jaqueline Aparecida Duarte dos Santos, preferiu ficar em silêncio ao ser interrogado pela delegada Vanessa Alice na manhã desta sexta-feira (27), na Delegacia da Mulher, em Curitiba. A defesa de Lauriano afirmou que o homem estava abalado e chorando muito e, por isso, foi orientado pelos advogados a não falar sobre o caso.

A decisão pelo silêncio foi tomada pela defesa após Lauriano relatar, em conversa informal com a delegada, que poderia ter matado a esposa, Keury Letícia, caso tivesse encontrado ela ao invés da sogra. A fala do suspeito foi responsável por dar a argumentação necessária para a polícia de que o homem deveria ser indiciado por feminicídio. Ainda conforme o advogado do suspeito, a defesa deve optar por orientar Lauriano a só falar para o Conselho de Sentença, sem dar novo depoimento para a polícia ou para a Promotoria do Ministério Público do Paraná.

Lauriano foi preso nesta quinta-feira (26), em cumprimento a um mandado de prisão temporária, de 30 dias. Conforme o relato do homem, após matar a sogra com seis tiros, ele teria ido de moto até São Paulo. A arma do crime ainda não foi localizada e pode ter sido dispensada na represa do Capivari. Hoje (27), a polícia deve ouvir dois casais de amigos que estariam com Lauriano e a esposa antes do crime.

O crime

Conforme o relato da filha da vítima, identificada como Keury, ela e o marido estavam em casa, acompanhados de dois casais de amigos, quando começaram a discutir. Para evitar uma confusão maior, os colegas resolveram ir embora e informaram que Keuri seguiria com eles.

Algum tempo depois, Lauriano foi até a residência da sogra na Rua João Dembinski, no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC), por volta das 2h, acreditando que a esposa estaria no local. Jaqueline estava vendo televisão com o marido, Cleber, quando o genro entrou e afirmou que mataria ela e a companheira.

No entanto, ele aparentemente desistiu e saiu da casa para, na sequência, quase uma hora depois, retornar e pedir um copo de água para Cleber. Quando o sogro foi até a cozinha, Lauriano sacou uma arma e atirou contra a vítima. Ela morreu antes da chegada do socorro. 

Keury disse à polícia que sua relação com Lauriano sempre foi conturbada e que, por isto, estaria se separando dele. O casal tem três filhos.