Segurança

Quatro golpistas do PR são presos ao embarcar em avião em Brasília; vídeo

Grupo tinha dinheiro, joias e identidades falsas

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Quatro golpistas do PR são presos ao embarcar em avião em Brasília; vídeo
Quatro golpistas do PR são presos ao embarcar em avião em Brasília (FOTO: Reprodução/TV Record)

6 de maio de 2022 - 14:19 - Atualizado em 6 de maio de 2022 - 14:20

Quatro golpistas do Paraná foram presos na tarde de quinta-feira (5) quando embarcaram em um avião no Aeroporto JK, em Brasília (DF), que tinha Curitiba como destino. Assista ao vídeo abaixo.

Com os golpistas, que têm entre 29 e 46 anos, também foram apreendidos dois veículos, 4 identidades falsas, US$ 589, R$ 13 mil em espécie, joias e objetos pessoais, informou a Polícia Civil do DF.

Um dos golpistas presos em flagrante, de 37 anos, tinha dois mandados de prisão preventiva abertos no Paraná.

O grupo foi preso na Operação Schmidt. Eles vão responder por crimes de estelionato, organização criminosa e uso de documento falso. Os suspeitos aplicaram os golpes no plano piloto, e três vítimas foram identificadas.

Segundo a polícia, os golpistas levantaram R$ 300 mil nos três golpes, entre dinheiro e joias.

As investigações começaram em abril deste ano. Na manhã de quinta, eles fizeram uma das vítimas, que entregou R$ 13 mil e joias. Além disso, essa vítima transferiu R$ 30 mil para os golpistas.

O golpe

Conforme a polícia, um dos golpistas se passava por pessoa humilde que iria receber uma grande soma de dinheiro de Schimidt, um empresário fictício de Brasília, e pedia ajuda da vítima para encontrá-lo. Na sequência, outro integrante do grupo alegava conhecer o empresário e levava a vítima até o local.

Os suspeitos diziam que, pela ajuda da vítima, ela receberia uma porcentagem do dinheiro a ser pago ao empresário, mas, para isso, era necessário demonstrar ser uma pessoa de confiança e entregar dinheiro e joias ao grupo criminoso.

Nesse momento, outro comparsa deixava a vítima com uma mala com dólares e ouro falso, como sendo a contrapartida. Após pegar os bens da vítima, os autores pediam para que ela aguardasse e os procurasse em posto de gasolina nas proximidades. Porém, eles não apareciam.