Segurança

Polícia já tem pistas sobre assassinato de empresário em festa de aniversário do filho

A Polícia Civil afirma que já identificou um dos quatro suspeitos e o carro usado no homicídio

Daniela
Daniela Borsuk com informações de Tiago Silva, da RIC Record TV Curitiba
Polícia já tem pistas sobre assassinato de empresário em festa de aniversário do filho
(Foto: Reprodução)

9 de novembro de 2021 - 13:57 - Atualizado em 9 de novembro de 2021 - 13:57

A Polícia Civil do Paraná já avançou nas investigações que apuram a morte do empresário Ricardo Luis Hortz Marodin, de 30 anos, assassinado na festa de aniversário do filho, uma criança de 4 anos. O caso está sob responsabilidade da delegacia de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, que já identificou um dos quatro suspeitos e o carro usado no homicídio. O crime foi registrado na noite de domingo (7). Até o momento, no entanto, ninguém foi preso.

Conforme as investigações, o carro usado pelos criminosos se trata de um Voyage prata, o mesmo modelo e cor do veículo utilizado para matar um funcionário de Ricardo, conhecido como Gustavinho, há dois anos. Logo após a morte do braço-direito do empresário, Ricardo sofreu um atentado, mas conseguiu escapar dos disparos. Ainda de acordo com a polícia, uma série de assassinatos começou a acontecer na região onde a vítima morava, e a equipe chegou a chamar Ricardo na delegacia para verificar se ele tinha alguma informação sobre os crimes, mas o homem afirmou que não tinha nenhum envolvimento com as situações.

Ricardo já tinha sido detido em 2010 por tráfico de drogas, mas o advogado da família do homem afirmou que ele foi absolvido das acusações. O pai da vítima tem uma passagem recente na polícia por tráfico de drogas, no entanto, a esposa do empresário, de primeiro nome Camila, disse que, desde que conheceu o marido, há 10 anos, o casal levava uma vida honesta.

Ao ser questionada sobre a forma como ganhavam dinheiro – já que ambos ostentavam uma vida de luxo nas redes sociais – a mulher relatou que a renda vinha da loja de roupas online que ela mantinha e das negociações do marido, que trabalhava com compra e venda de carros, casas e terrenos. Camila acredita que a motivação do crime esteja relacionada a uma negociação mal feita.

De acordo com o laudo do Instituto Médico Legal (IML) e das perícias realizadas na cena do crime, a vítima foi atingida por 12 tiros de uma arma adaptada para disparar como uma metralhadora. Ao todo, cerca de 40 disparos foram feitos na entrada do salão de festas onde o aniversário acontecia, em Pinhais.

A esposa da vítima ainda relatou que o filho aniversariante chegou a ver o pai sendo morto. “Meus filhos não dormem. Ele falou bem assim: ‘mãe, eu vi o bandido colocando a arma e dando um tiro na barriga do meu pai’. Meu Deus do céu, meus filhos nunca vão esquecer uma coisa dessa”, desabafou ela.

Conforme o relato de Camila, Ricardo era um bom pai e marido, e não tinha relação com o mundo do crime. Porém, há dois boletins de ocorrência de brigas do casal, nos quais a mulher relatou, em fevereiro de 2019 e em agosto de 2021, que o marido a estava ameaçando de morte. Sobre isso, ela contou que foram os vizinhos que chamaram a Polícia Militar e que se tratavam apenas de brigas de casal, que “não vem ao caso”.

Camila ainda contou que o marido estava do lado de fora guardando a cadeirinha de um dos filhos no veículo do casal quando tudo aconteceu. “Ele foi pedir o Uber pra nossa afilhada e pra filha dele…porque ele tem uma filha fora do nosso casamento, de antes da gente se conhecer. Aí ele pegou e foi ver se o Uber tava vindo e guardar a cadeirinha no carro. E nisso eu escutei um monte de disparos. A minha mãe e a minha irmã pensaram que era bexiga. Quando eu vi que não parava, eu empurrei as crianças e falei: ‘corre, gente, que é tiro!’. E eu saí correndo desesperada porque eu não vi ele. Eu saí correndo e falei: ‘Quinho, cadê você, Quinho?’, daí eu vi e ele já tava no chão, morto”, disse. O homicídio durou apenas 14 segundos.

A esposa de Ricardo deve comparecer na delegacia para ajudar nas investigações policiais na quarta-feira (10).