Segurança

PM baleado durante ataque em Guarapuava tem alta do hospital

O cabo José Douglas Bonato teve uma fratura exposta na perna esquerda, por causa de um tiro que levou

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
PM baleado durante ataque em Guarapuava tem alta do hospital
(Foto: Reprodução/ Luciano Chinasso/ RICtv)

20 de abril de 2022 - 19:42 - Atualizado em 20 de abril de 2022 - 19:43

O cabo José Douglas Bonato, que foi baleado na perna durante o ataque de uma quadrilha de assaltantes em Guarapuava, no centro-sul do Paraná, teve alta hospitalar nesta quarta-feira (20).

Conforme a Polícia Militar, ele já está em casa, em recuperação pós-operatória por causa da fratura exposta na perna esquerda, causada pelo tiro. Benato não corre risco de morte. Logo depois do ataque, ele relatou a violência com que os bandidos agiram. A quadrilha tinha armas de grosso calibre e atiraram muito, não para assustar ou acuar, mas para matar os policiais que encontrassem pela frente.

Já o cabo Ricieri Chagas, que levou um tiro na cabeça, ainda está internado na UTI em estado gravíssimo. Ele também passou por cirurgia e está se recuperando de um edema cerebral. Ele está entubado, sedado, porém estável, com a contraindicação de ser transferido de hospital neste momento.

Novo cangaço

Os policiais foram feridos durante o ataque dos criminosos na cidade de Gaurapuava. Depois de tentar fechar os acessos da cidade, para evitar a entrada de mais policiais, e de acuarem os policiais locais, colocando um caminhão em chamas na porta do batalhão da PM, eles tentaram assaltar uma empresa de transporte de valores sediada em Guarapuava.

Ainda fizeram muitos cidadão reféns, colocando-os em cordões humanos na linha de tiro. Mas, apesar de estarem fortemente armados e preparados, não conseguiram concretizar o roubo. O comando da Polícia Militar afirma que já sabiam que haveria um ataque, só não sabiam onde e quando. Por isto, já tinham um esquema tático preparado, o que de fato, fez com que os bandidos fugissem sem levar nada da empresa.

Crimes deste tipo, em que os marginais tentam acuar cidadãos e policiais para praticarem roubos, estão sendo chamados de “novo cangaço”. O ministro da Justiça, Anderson Torres, afirmou na última segunda-feira (18) que pediu a tipificação do crime como terrorismo e uma pena bem rigorosa para este novo tipo de crime, como forma de inibir e combater o “novo cangaço”.