Segurança

PF cumpre mandados de operação que investiga corrupção na Petrobras

Apesar dos mandados terem sido expedidos em Curitiba, as buscas acontecem no Rio de Janeiro, por 12 policiais federais

Daniela
Daniela Borsuk com informações da Polícia Federal
PF cumpre mandados de operação que investiga corrupção na Petrobras
(Foto: Arquivo/ PF)

18 de junho de 2021 - 09:35 - Atualizado em 18 de junho de 2021 - 09:35

Nesta sexta-feira (18), em cumprimento à três mandados de busca e apreensão expedidos pela 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, a Polícia Federal deflagrou a Operação Sem Limites VI. A ação investiga práticas de corrupção na antiga Diretoria de Abastecimento da Petrobras, especificamente na Gerência Executiva de Marketing e Comercialização.

Apesar dos mandados terem sido expedidos em Curitiba, as buscas acontecem no Rio de Janeiro, por 12 policiais federais. Além disso, foram expedidas ordens para bloqueio de valores até o limite dos prejuízos identificados até o momento.

Conforme a Polícia Federal, as investigações da operação pretendem identificar e esclarecer crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa por novos sujeitos identificados.

As apurações foram iniciadas após a deflagração da Operação Sem Limites, que teve por objetivo o cumprimento de prisões e buscas e apreensões de integrantes de organização criminosa responsáveis pela prática de crimes, envolvendo a negociação de óleos combustíveis e derivados entre a estatal e trading companies estrangeiras.

Desde então, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal aprofundaram as investigações dos esquemas criminosos, já tendo ocorrido o cumprimento de relevantes medidas cautelares para coleta de provas, no âmbito de outras quatro operações dentro desta linha investigativa.

Segundo diligências policiais e provas apresentadas por colaborador da Justiça, foi possível identificar a participação em fatos criminosos de um estrangeiro, representante de interesses de trading companie internacional junto à estatal brasileira, assim como de um nacional ligado a um ex-gerente da estatal responsável por receber recursos de corrupção no exterior, com uso de contas em nome de offshore, e sua posterior distribuição aos envolvidos  no esquema criminoso.

O aprofundamento investigativo ainda permitiu identificar dois brasileiros envolvidos com outro ex-funcionário da área comercial, com o qual obtinham informações privilegiadas sobre negociações da estatal e tratavam de operações comerciais em que poderiam obter vantagens indevidas.

 A Polícia Federal segue nas investigações para identificar e responsabilizar os suspeitos de atentarem contra a estatal.