Segurança

Mulheres da mesma igreja denunciam suspeito de assédio sexual: “eu tenho nojo”

Conforme a denúncia, o homem estava fazendo chamadas de vídeo, mandando mensagens de cunho sexual e pedindo que as mulheres mandassem fotos

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações de William Bittar, da RIC Record TV Curitiba
Mulheres da mesma igreja denunciam suspeito de assédio sexual: “eu tenho nojo”
(Foto: Reprodução/ RIC Record TV Curitiba)

18 de outubro de 2021 - 15:19 - Atualizado em 18 de outubro de 2021 - 15:19

Pelo menos cinco mulheres que frequentam uma igreja localizada no Bairro Alto, em Curitiba, denunciaram o assédio sexual que sofreram através de mensagens no celular. Com a pandemia, muitos cultos foram programados através de um grupo em um aplicativo de mensagens e a suspeita é de que o homem tenha conseguido os números das mulheres por esse meio.

Uma das vítimas deu entrevista para a equipe da RIC Record TV Curitiba e falou que, como trabalha com comércio, a princípio pensou que o contato do homem seria sobre algo relativo à loja. As importunações começaram logo depois, com o homem fazendo chamadas de vídeo, mandando mensagens de cunho sexual e pedindo que a mulher enviasse fotos dela.

“Essa pessoa chegou até mim dando ‘boa tarde’, eu achei que fosse um cliente, eu respondi ‘boa tarde’, a partir desse momento ele começou a fazer chamadas de vídeo, mostrando as partes íntimas dele, e eu fiquei bastante indignada com aquilo. Eu peguei, mostrei para o meu esposo, e decidi não apagar, decidi tentar saber quem que era essa pessoa. E ele foi conversando, pedindo foto minha, querendo foto minha, a cada 10 minutos, cinco minutos, fazia novamente chamada de vídeo”.

contou a vítima.

A mulher então contou sobre o caso para um membro da igreja que frequenta, já que o homem afirmou a conhecer da instituição, e descobriu que pelo menos outras cinco mulheres também estavam recebendo mensagens do mesmo homem.

“Eu tenho nojo, nojo de ver essas coisas no meu celular, eu chorei bastante já, me senti muito mal tendo que mostrar tudo isso para o meu esposo também, para outros membros da igreja […] eu me sinto assim como se eu fosse culpada, sabe? Como se eu tivesse dado algum motivo para aquilo estar chegando no meu celular. Na verdade eu não estou nem um pouco em paz, estou bem triste, decepcionada, eu sonho à noite, é bem difícil”.

desabafou a mulher.

As mulheres fizeram boletim de ocorrência e a Polícia Civil conseguiu identificar o suspeito. Ele foi ouvido e, na delegacia, negou os crimes. A RIC Record TV conseguiu contato com o homem e ele confessou que mandou mensagens para uma vítima, que foi um momento de “bobeira”, mas que não teria conversado com outras mulheres. O homem ainda relatou que jogou o celular em um rio.

A vítima espera por Justiça e quer que o homem seja responsabilizado. “Fiquei com receio, fiquei com vergonha, vergonha até de ir congregar. Eu me sinto mal, nos primeiros dias eu vomitei bastante, de nervoso, eu quero que ele seja responsabilizado, que de alguma forma ele pague pelo que ele fez”.

Tentativa de abuso sexual

Cerca de três dias após receber as mensagens, a mulher ainda passou por outro trauma: um homem entrou no estabelecimento comercial em que a vítima trabalha e tentou estuprá-la. A mulher só conseguiu evitar a violência pois jogou um facão no homem, ele se assustou e fugiu. A princípio, o suspeito se trata de um assediador que foi preso na última segunda-feira (11), na capital, identificado como Otávio Moreira Leite.

Ao denunciar o crime, a mulher fez um retrato falado do suspeito e, quando os policiais mostraram uma foto de Otávio, ela o reconheceu.