Segurança

MP investiga bebidas adulteradas oferecidas a 26 mulheres em Curitiba

Investigação ainda não detectou qual substância foi colocada nas bebidas, nem por qual motivo as mulheres foram “dopadas”

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações da Sejuf
MP investiga bebidas adulteradas oferecidas a 26 mulheres em Curitiba
(Foto: Pixabay)

19 de novembro de 2021 - 10:13 - Atualizado em 19 de novembro de 2021 - 10:13

Já chega a 26 a quantidade de mulheres que relataram ao Ministério Público do Paraná (MPPR) terem sentido tontura, dificuldades para andar, cansaço e náusea após ingerirem bebidas alcóolicas servidas em quatro bares de Curitiba.

As denúncias foram relatadas à Secretaria da Justiça, Família e Trabalho do Paraná (Sejuf), que destacou as vítimas já estão sendo acompanhadas, inclusive com acompanhamento psicológico. Os relatos são do mês de outubro, quando estes tipos de estabelecimentos tiveram autorização para voltarem a funcionar. Algumas relatam que chegaram a ficar cerca de duas horas desacordadas.

Os nomes dos estabelecimentos não foram divulgados. Até porque o MPPR ainda investiga a responsabilidade deles nos casos e por qual motivo as mulheres foram supostamente “dopadas”.

Mulheres dopadas

Entre as mulheres que sentiram reação após a ingestão das bebidas estão três universitárias. As jovens contaram que estavam em uma festa, formato open bar, e tiveram problemas após tomarem gin com energético.

“Segundo elas, no local da balada, todas as mulheres podiam beber livremente até às 20h30. Cerca de 02h depois, passaram a se sentir cansadas, desejando deitar. Em 15 minutos após ingerir os drinques, mal respondiam o que lhes eram perguntado, com os olhos arregalados, sem conseguirem formular frases ou raciocinar. Por volta das 22h, elas começaram a vomitar em quantidade excessiva. Ao se dirigirem ao toalete encontraram outras mulheres no mesmo estado. Todas pálidas e ‘desconectadas'”,

publicou a Sejuf.

As vítimas foram submetidas a exames toxicológicos e o resultado deve apontar o tipo de substância utilizado nas bebidas alcoólicas.

Diante da gravidade dos relatos, o Departamento de Justiça da Sejuf desenvolveu, por meio de campanha midiática criada pelo Núcleo de Comunicação Social da Sejuf, para alertar sobre o golpe da bebida alterada, destacando informações que ajudam a identificar a ocorrência desse tipo de caso.

“Esta é a maneira que encontramos para alertar os jovens paranaenses que gostam de se divertir e não devem ser expostos à situações perigosas como estas”,

alerta Ney Leprevost, secretário da Justiça, Família e Trabalho do Paraná.