Segurança

Motociclista sobrevive a colisão frontal grave na CIC: “Saí de dentro do carro clamando o nome de Jesus”

Motorista confessou que não tinha carteira e estava voltando da igreja com os filhos

Guilherme
Guilherme Becker / Editor com informações de Marcelo Borges da RIC Record TV,
Motociclista sobrevive a colisão frontal grave na CIC: “Saí de dentro do carro clamando o nome de Jesus”
(FOTO: PAULO FISCHER/ RIC RECORD TV)

14 de maio de 2021 - 07:44 - Atualizado em 14 de maio de 2021 - 07:44

Um acidente grave entre uma motocicleta e um carro foi registrado na noite desta quinta-feira (13), na Vila Verde, na Cidade Industrial de Curitiba. Segundo informações, a colisão aconteceu por uma sequência de imprudências. Uma testemunha relatou que o motoboy estava na contramão, realizando uma ultrapassagem proibida, enquanto que a motorista do Volkswagen Gol não tinha Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Um outro motociclista, que seguia atrás do carro que se envolveu no acidente, relatou como aconteceu a colisão.

“Eu estava vindo atrás do Gol, em baixa velocidade, quando nos deparamos por uma luz vindo do túnel, e era um carro sendo ultrapassado por uma moto. Quando o motociclista se deparou com o carro que estava à minha frente ele provavelmente se assustou, freou, perdeu o controle, invadiu a contramão e onde houve a colisão frontal”,

declarou Christopher Eduardo.
Moto ficou destruída (FOTO: PAULO FISCHER/ RIC RECORD TV)

Apesar do grave acidente, o motociclista teve apenas ferimentos leves e foi encaminhado de ambulância ao Hospital do Trabalhador. Já a motorista, que estava com dois filhos no carro, revelou que não possui carteira de habilitação.

“Na hora eu só consegui tirar o carro e quando eu saí de dentro do carro fui clamando o sangue de Jesus, falando para o senhor que eu queria vida, que ninguém tivesse morrido […] Sei que estou errada, porque ainda estou fazendo a carteira”,

confessou Marcia Martins.

A Polícia Militar (PM) esteve na rua Anjolilo Buzetti e encaminhou a mulher para a Delegacia de Delitos de Trânsito, onde Marcia assinou um termo circunstanciado.