Segurança

‘Mataram meu neto por engano’, lamenta avó de rapaz morto depois de sair da igreja

O homem de 28 anos foi morto a tiros ao ser abordado por três suspeitos quando saía de um culto

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
‘Mataram meu neto por engano’, lamenta avó de rapaz morto depois de sair da igreja
(Foto: Reprodução)

25 de outubro de 2021 - 13:43 - Atualizado em 25 de outubro de 2021 - 13:43

Vizinhos da igreja de onde Felipe Lourenço, de 28 anos, saía quando foi morto a tiros, afirmaram que ouviram o rapaz implorando para não morrer. Em entrevista ao Balanço Geral da RIC Record TV Curitiba, familiares de Felipe contaram que ele ainda levantou a possibilidade de ser o alvo errado.

Dona Aparecida, avó de Felipe, contou que acredita que o neto foi morto por engano.

“Ele falou ‘pelo amor de Deus, não me mate! Não sou eu, vocês estão pegando o cara enganado!’. A pessoa que escutou não deu entrevista, mas ela estava estendendo roupa e escutou ele falar […] Mataram meu neto enganado! Eu estava no culto com ele, ele sentadinho do meu lado, a coisa mais linda! Ele sentado do meu lado, orando junto comigo, levantava a mãozinha para o céu, orando junto comigo”, lamentou a idosa.

A avó ainda afirmou que, ao término do culto, Felipe ficou conversando com o pastor e a filha do pastor.

“O pastor amava ele! Quando precisavam fazer alguma coisa na igreja, ele estava pronto, ali, ajudando. Ele tinha um coração tão bom! Ele ajudava todo mundo. Não merecia ter uma morte tão estúpida dessas!”

Uma tia de Felipe que, emocionada, também deu entrevista ao Balanço Geral, confirmou que Felipe era trabalhador e que amava muito seu filho. Juntamente com Dona Aparecida, ela afirmou que apenas a Justiça poderá confortar o coração dos familiares.

O crime

Felipe foi assassinado na noite deste domingo (24) logo após sair de uma igreja no bairro Santa Cândida, em Curitiba. Ele foi abordado por três suspeitos quando caminhava até o carro. Os indivíduos arrastaram o homem por aproximadamente 50 metros e efetuaram disparos. Pouco antes de ser executado, Felipe Lourenço ligou para um primo, que chegou a escutar os disparos do outro lado da linha. Ele era casado e deixa um filho de nove anos.