Segurança

Jovem é assassinado com tiros a queima roupa, mas suspeito arranca câmera e dificulta investigação

A suspeita é de que o homicídio esteja relacionado a disputa pelo tráfico de drogas na região

Daniela
Daniela Borsuk com informações de Tiago Silva, da RIC Record TV Curitiba
Jovem é assassinado com tiros a queima roupa, mas suspeito arranca câmera e dificulta investigação
(Foto: Tiago Silva/ RIC Record TV Curitiba)

6 de outubro de 2021 - 13:23 - Atualizado em 6 de outubro de 2021 - 13:24

Um jovem foi assassinado a tiros no final da manhã desta quarta-feira (6), por volta do meio-dia, na Rua Padre Isaías de Andrade, no bairro Parolin, em Curitiba. A vítima foi morta com vários tiros na cabeça, a queima roupa. A suspeita é de que o homicídio esteja relacionado a disputa pelo tráfico de drogas na região.

De acordo com informações da equipe de reportagem da RIC Record TV Curitiba, o jovem tinha ido até um salão de beleza cortar o cabelo quando foi surpreendido pelo suspeito. A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi chamada e já começou a investigar o caso, mas o delegado Tito Barichello relata que pouca informação está sendo obtida no local, pois a população tem medo. Além disso, há a suspeita de que uma câmera de segurança foi tirada da região após o crime, para dificultar a identificação do suspeito.

“Infelizmente, a estratégia dos criminosos é para buscar impunidade. Eles pressionam as testemunhas, tanto que eu conversei com várias pessoas que estavam ali e todas elas me disseram ‘não posso falar, se eu falar eu vou morrer’. Então esse é o medo da comunidade, que nós não podemos deixar tomar conta do bairro. Nós temos uma casa ali que é o DVR, que é o sistema de gravação, aparentemente foi arrancado, segundo a denúncia de um informante. Estamos atrás desse DVR para saber se conseguimos essa informação. É mais um jovem, mais um jovem que perde a vida, maior de 18 anos, com tiros de pistola calibre 9mm, na cabeça, o que demonstra que o criminoso se aproximou da vítima. Como se diz, no linguajar popular, a queima roupa, um tiro quase encostado, desferiu diversos tiros na cabeça, uma região letal. Mas esse crime, segundo informações, advém de briga do tráfico de drogas.”

relatou o delegado Barichello.

As investigações da Polícia Civil prosseguem. O corpo do jovem será encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba.