Segurança

Frieza: câmeras flagram filho assistindo TV logo após matar a mãe asfixiada; vídeo

O jovem havia escondido o cartão de memória das câmeras de segurança e, por isso, não haviam provas que comprovassem a autoria do crime

Daniela
Daniela Borsuk com informações de Record TV São Paulo
Frieza: câmeras flagram filho assistindo TV logo após matar a mãe asfixiada; vídeo
(Foto: Reprodução)

4 de junho de 2021 - 13:19 - Atualizado em 4 de junho de 2021 - 13:19

Um crime chocante e que chama a atenção pela frieza: Bruno Eustáquio Vieira, de 23 anos, é suspeito de assassinar a própria mãe, Márcia Lanzana de Quadra, de 44 anos, asfixiada, dentro de casa. Câmeras de segurança flagraram o jovem verificando a pulsação para confirmar a morte da mulher e depois indo até o cômodo ao lado, a poucos metros de distância, e sentando no sofá calmamente para ver televisão.

O caso aconteceu no Guarujá, litoral de São Paulo, em dezembro do ano passado, mas a prisão preventiva do rapaz só foi decretada pela Justiça agora, já que as imagens eram desconhecidas até pouco tempo. O jovem havia escondido o cartão de memória das câmeras de segurança dentro do fogão do apartamento onde morava com a vítima e, por isso, não haviam provas que comprovassem a autoria do crime. Foram as tias do suspeito que encontraram o cartão, possibilitando que os vídeos chegassem até a polícia.

As imagens comprovam que foi Bruno quem asfixiou a mãe até a morte, ficou no apartamento até o dia seguinte com o cadáver de Márcia, saiu para a academia e somente depois ligou para a família, afirmando que a mãe estava roxa e que não sabia o que tinha acontecido.

Bruno ainda não foi detido. Após o crime, ele não voltou mais para a casa da mãe, saiu com a moto e o carro de Márcia e não foi mais visto pela família. Caso não se apresenta para a polícia nos próximos 10 dias, ele será considerado foragido.

Câmeras

As câmeras de segurança haviam sido instaladas por Márcia há cerca de um mês. No vídeo, é possível ver o momento em que ela e o filho único discutem no quarto. Eles caem no chão, lutam, Bruno fica em cima da mãe e começa a esgana-la. Depois, quando a mulher fica imóvel, ele ainda verifica os batimentos cardíacos dela, colocando a mão em seu pulso e o no pescoço. O suspeito fica dentro do quarto por cerca de uma hora, depois sai, fecha a porta e vai até a sala, a poucos metros de distância.

No outro cômodo, Bruno pega o controle da televisão, liga o aparelho e senta no sofá calmamente, colocando os pés apoiados na mesa de centro. No dia seguinte, o suspeito acorda cedo, vai até a garagem, pega a moto e dirige para a academia. Durante todo este tempo, o corpo da mãe do jovem permanece no quarto. Bruno volta da academia e só então aparece fazendo uma ligação, desta vez aparentando estar preocupado, com as mãos na cabeça.

Veja o vídeo:

Conforme uma tia do rapaz, na ligação Bruno pediu ajuda e relatou que teria acabado de encontrar a mãe roxa e desacordada. Para a polícia, o jovem relatou que teria brigado com a mãe e a empurrado na noite anterior, e que ela teria batido a cabeça, mas que estava bem. Ele ainda contou que foi para a academia e que somente ao voltar teria encontrado Márcia sem vida.

Relação mãe e filho

Após o crime, Bruno publicou uma foto de homenagem com a mãe, contendo a legenda “Te amarei para sempre! Obrigado por tudo meu amor. Luto eterno rainha”. Familiares entrevistados pela equipe da Record TV São Paulo contam que jamais haviam pensado que o jovem seria capaz de algo desta natureza.

(Foto: Reprodução)

Uma familiar o definiu como “carinhoso, amoroso e educado” e contou que Márcia fazia de tudo pelo filho único: “Se fosse possível ela dava a vida por ele, ela brigava com o mundo por causa dele”, disse.

No entanto, apesar da boa relação, uma tia relatou que há cerca de um mês, Bruno começou a apresentar mudanças de comportamento, a discutir com a mãe, usar o carro dela sem sua permissão e voltar para casa de madrugada.

Ainda, Bruno havia decidido que queria mudar de curso de faculdade, que gostaria de fazer Medicina, apesar de faltar apenas um mês para que se formasse em Direito em uma instituição particular. Márcia não teria gostado da ideia e, conforme a tia do jovem, ele não estava acostumado a ouvir um ‘não’, já que a mãe fazia de tudo por ele. Márcia era separada do pai de Bruno.

Prisão decretada

Com as imagens, a Justiça decretou a prisão preventiva do jovem, que foi indiciado por homicídio qualificado. Ele ainda não se apresentou para a polícia. A família de Márcia espera que Bruno pague pelo crime que cometeu.