Feminicídio

Homem mata a namorada e joga corpo amarrado a pedra dentro de rio em SC

Suspeito tem 34 anos, foi preso, e confessou o crime à polícia. Equipes dos bombeiros fazem buscas para encontrar o corpo no rio

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais Com informações do portal ND+
Homem mata a namorada e joga corpo amarrado a pedra dentro de rio em SC
(foto: Arquivo Pessoal/Divulgação/ND)

8 de dezembro de 2021 - 14:43 - Atualizado em 8 de dezembro de 2021 - 15:18

Um homem, de 34 anos, foi preso, no fim da noite desta terça-feira (7), suspeito de matar a namorada Roseli Fátima Stoll, de 38 anos. Ele confessou à polícia que matou a mulher asfixiada com uma cinta e que jogou o corpo dela amarrado a uma pedra, no meio do lago de uma usina hidrelétrica, no interior de Alto Bela Vista, no Oeste de Santa Catarina.

Desde a manhã desta quarta (8), quatro bombeiros militares da corporação de Piratuba, incluindo dois mergulhadores, iniciaram as buscas no rio Uruguai, nesta quarta-feira (8), na tentativa de encontrar o corpo de Roseli.

Roseli morava no bairro Nações, em Concórdia, e estava desaparecida desde quinta-feira (2), quando tinha saído do trabalho, em um restaurante no Centro da cidade. Na segunda (6), a família registrou um Boletim de Ocorrência (B.O).

Suspeito tentou fugir

O suspeito foi abordado pela polícia em Antônio Prado, no Rio Grande do Sul, a cerca de 270 km de Alto Bela Vista. Ele fugia em um Renault/Logan e tentou escapar dos policiais, mas foi preso preventivamente e teve o carro apreendido. O homem foi transferido para Concórdia, na região do Alto Uruguai.

“Após cerca de 18 km de acompanhamento, conseguimos a abordagem do suspeito. Iniciamos os questionamentos, com base nas informações já repassadas, e notamos um nervosismo ao ser questionado sobre o paradeiro de sua ex-companheira”,

explicou o 36º Batalhão de Polícia Militar em nota.

O carro apreendido passou por perícia com luminol, utilizado em perícias criminais de modo a identificar sangue no local do crime.

Relacionamento conturbado

Segundo a Polícia Civil, o casal estava junto há cerca de sete meses, e o homem não aceitava o fim da relação. Ele já era investigado pela polícia e não aceitava o fim da relação.

Policial, serviços, política, saúde, economia… Tem isso e tudo o que acontece no Paraná no RIC Mais. Clique aqui e mande sua sugestão de pauta.