Feminicídio

Ex-marido, principal suspeito pelo assassinato de Lígia, fez ameaças dias antes do crime

A vítima foi morta, nesta terça-feira (5), dentro do refeitório da igreja em que fazia serviços de zeladora

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Ex-marido, principal suspeito pelo assassinato de Lígia, fez ameaças dias antes do crime
(Foto: Reprodução/Redes sociais)

6 de abril de 2022 - 12:51 - Atualizado em 6 de abril de 2022 - 12:53

Familiares de Lígia da Silva, de 44 anos, informaram que seu ex-marido, e principal suspeito do assassinato, estava fazendo ameaças. Lígia foi morta a tiros, nesta terça-feira (5), dentro de uma igreja que prestava serviços, em Londrina, norte do Paraná.

A família relata que o homem agredia constantemente a vítima. Os dois estavam juntos há aproximadamente 20 anos e Lígia acompanhava o ex-marido em viagens que ele fazia, por ser caminhoneiro. Há dois dias, ela havia tentado dar um fim no relacionamento e pediu uma medida protetiva contra ele. Entretanto, não foi expedida a tempo. Ele teria ido até a casa da mulher, na segunda-feira (4), para ameaçá-la.

“Ele é capaz de tudo”, contou uma das pessoas relacionadas, que também informou que a família está sendo ameaçada de morte, caso sigam com as denúncias e depoimentos. O homem responde por alguns crimes e foi condenado por tentativa de homicídio.

O crime

Lídia foi assassinada com cinco tiros na Paróquia São Luiz Gonzaga, zona leste de Londrina, no início da tarde desta terça-feira (5). A maioria dos disparos atingiu a cabeça da vítima. Testemunhas contaram ela almoçava quando foi assassinada. O atirador teria invadido o local e fugiu, logo em seguida.

Ele segue foragido. O caso foi transferido para a Delegacia da Mulher e deve ser tratado como feminicídio.