Assassinatos

Motorista que matou melhor amigo atropelado se apresenta à polícia

Anderson Santos passou a ser cobrado pelo amigo, Adilson, porque fez uma compra no cartão de crédito dele e ficou devendo

Giselle
Giselle Ulbrich com informações da RICtv
Motorista que matou melhor amigo atropelado se apresenta à polícia
(Foto: Reprodução / RICtv)

22 de junho de 2022 - 22:59 - Atualizado em 22 de junho de 2022 - 23:00

Anderson da Cruz da Rocha Santos, 24 anos, o motorista que matou atropelado o melhor amigo, Adilson Gomes, 36 anos, após uma discussão no bairro Sítio Cercado, em Curitiba, se apresentou na Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran) nesta quarta-feira (22). Anderson afirma que se defendeu de uma provável agressão, já que Adilson vinha na sua direção com uma pedra na mão, pronto para jogar nele.

Anderson diz que tinha uma dívida com Adilson. Fez uma compra no cartão de crédito emprestado do amigo de mais de 20 anos e agora estava devendo. Adilson passou a cobrá-lo e, inclusive, ameaçá-lo de agressões, mandando mensagens para o celular da mãe de Anderson.

No dia do crime, Anderson alega que Adilson foi na sua casa lhe cobrar e ameaçar mais uma vez. Ainda pediu para que Anderson o levasse de carro a um lugar. Mas Anderson negou, afirmando que já tinha outro compromisso. Cerca de duas horas depois, Adilson teria voltado à casa do amigo. Mas Anderson alega que Adilson já chegou com uma pedra ou concreto na mão.

“Achei que ele ia me jogar na cabeça ou agredir a minha avó. Como eu tenho um problema na perna e não ia conseguir correr ou me defender, infelizmente a reação imediata que tive foi acelerar o carro contra ele”,

afirmou Anderson.

Imagens de câmeras de segurança da vizinhança mostram a primeira acelerada que Anderson dá, mas não acerta Adilson. No entanto, ele acelera de novo, de ré, e mata Adilson na hora. Ele alega que deixou o local do crime em seguida porque estava assustado. E diz que sumiu depois disso porque passou a ser ameaçado pelos amigos de Adilson.

Anderson foi ouvido e liberado, para responder pelo crime em liberdade.