Assassinatos

Casal suspeito de armar emboscada para ex continua foragido com criança

A vítima foi morta depois que a ex-mulher inventou que ele havia estuprado o filho que tinha com ele; ela e o atual namorado fugiram levando o menino

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Casal suspeito de armar emboscada para ex continua foragido com criança
Foto: Reprodução/RICtv

25 de janeiro de 2022 - 20:07 - Atualizado em 25 de janeiro de 2022 - 20:12

Maria Eliza Moreira Marins, de 27 anos, e Francisco Domenny, de 22, procurados pelo assassinato de João Philip Gonçalves Nunes, de 23 anos, ainda não foram encontrados pela polícia. O crime ocorreu em 5 de dezembro de 2021, no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Na ocasião, o casal fugiu levando o filho da suspeita com a vítima

De acordo com a Polícia Civil, Maria Eliza e João foram casados por três anos e juntos tiveram um menino, atualmente com quatro anos de idade. Separados desde 2019, os dois iniciaram uma disputa judicial pela guarda da criança. Já em 2021, a mulher pegou o filho para visitá-la em Curitiba, porém não o devolveu mais para o ex-marido. 

Foi então que ela e o atual namorado armaram uma emboscada para o ex. Maria Eliza ligou para João, que vivia em Blumenau (SC), e pediu que ele viajasse até a capital paranaense para buscar o filho. Mas antes dele chegar na cidade, ela espalhou na vila em que morava que a criança havia sido estuprada pelo próprio pai. Assim, logo que pisou na localidade, João foi surpreendido por quatro homens encapuzados, que o espancaram até a morte e jogaram seu corpo em uma área de mata. 

 “Ela acabou espalhando dentro da comunidade um boato de que ele era estuprador, de que ele teria violentado o filho. É mentira, porém acabou fazendo com que os criminosos ficassem com vontade de matar o João. A gente comprovou por laudos periciais que a criança nunca foi violentada, pelo contrário, ela adorava ficar com o pai. Tanto que a juíza deu a guarda da criança para o pai. Então, esse boata que a Maria Eliza criou, unido com o desafeto que ela já tinha com o seu ex, acabou culminando nessa tragédia. E, com o aval desse indivíduo que já foi preso, mataram ele a pauladas e golpes de ferro, desfigurando o rosto do João”,

explicou o delegado Tiago Nóbrega. 

Depois do assassinato, tanto o casal de suspeitos como o menino não foram mais vistos. Os dois são investigados por homicídio qualificado e subtração de incapaz. “Precisamos localizar, principalmente, a criança que está desaparecida, juntamente com a mãe, Maria Eliza, e o atual namorado dela, Francisco Domenny. Os dois estão foragidos”, completou o delegado. 

Na última sexta-feira (21), a polícia prendeu temporariamente um dos suspeitos de envolvimento no crime. O jovem de 19 anos seria um traficante da região que ordenou a execução de João após saber dos boatos.

Denuncie

Qualquer informação que possa ajudar a polícia na localização dos suspeitos pode ser repassada, de forma anônima, pelos telefones 181 ou 0800-643-1121

Registrou um flagrante? Mande para o WhatsApp do RIC Mais. Clique aqui e faça o portal com a gente!