Acidentes

Motorista que causou acidente com 12 vítimas em Sarandi tem prisão preventiva decretada

Entre os feridos está um menino, que teve traumatismo craniano; motorista causador do acidente já foi preso por embriaguez ao volante em 2020

Renan
Renan Vallim / Repórter
Motorista que causou acidente com 12 vítimas em Sarandi tem prisão preventiva decretada
Caminhonete teria batido na traseira de dois carros, que capotaram | Foto: Reprodução/RICtv

27 de dezembro de 2021 - 13:20 - Atualizado em 27 de dezembro de 2021 - 13:20

O motorista de 57 anos que causou um acidente que deixou 12 pessoas feridas na BR-376, em Sarandi, na noite de Natal, continua preso. Ele teve a prisão preventiva decretada pela Justiça e deve passar na tarde desta segunda-feira (27) por uma audiência de custódia. No momento do acidente, o homem apresentava sinais de embriaguez.

O acidente envolveu três veículos. O homem, que seguia de Maringá para Marialva, bateu na traseira de dois veículos que seguiam na mesma direção da pista. Os dois veículos atingidos capotaram.

Dentro de um dos carros havia 6 pessoas, acima da capacidade máxima permitida. Dentre elas, 4 crianças, sendo que 2 ficaram feridas com gravidade. Uma delas, um menino de 10 anos, teve traumatismo craniano e precisou ser intubado no local do acidente antes de ser levado ao hospital.

No outro carro, os cinco ocupantes ficaram feridos. Um deles, uma criança, também ficou ferido com gravidade. O motorista que conduzia a caminhonete e que teria causado o acidente também ficou ferido levemente.

Depois do acidente, ele ainda desferiu um golpe de facão no braço de um adolescente que estava no local, mas que não tinha se envolvido no acidente. O motorista disse que teria sido agredido por pessoas que chegaram ao local depois do acidente e que pegou o facão para se defender.

Com sinais de embriaguez, ele se recusou a fazer o teste do bafômetro. Ele foi preso por embriaguez ao volante e lesão corporal culposa. A polícia também acredita que o condutor estava em alta velocidade.

Prisão preventiva

O Ministério Público pediu e a Justiça determinou a prisão preventiva do motorista da caminhonete. Contribuiu para a decisão o fato dele já ter sido preso por embriaguez ao volante em 2020, em Marialva.

Em depoimento dado para a Polícia Civil, o motorista alegou que não havia bebido, mas que seria dependente químico de medicamentos. Ele deve passar por uma audiência de custódia ainda nesta segunda-feira.