Saúde

Viajantes para o exterior podem antecipar esquema vacinal em Curitiba

A cidade já estava antecipando o esquema vacinal para viagens com fins profissionais ou de estudos, mas agora a antecipação também passa a valer para viagens turísticas

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Viajantes para o exterior podem antecipar esquema vacinal em Curitiba
Foto: Hully Paiva/SMCS

3 de dezembro de 2021 - 14:58 - Atualizado em 3 de dezembro de 2021 - 14:58

A Secretaria de Saúde de Curitiba liberou, nesta sexta-feira (3), a antecipação da segunda dose ou a dose de reforço da vacina contra a Covid-19 para moradores com viagem marcada para o exterior que ainda não completaram o esquema vacinal, desde que cumpridos os critérios definidos pelo Ministério da Saúde.

O viajante deverá comprovar a ida a outro país com a apresentação de passagem em seu nome diretamente no ponto de vacinação. Já aqueles que pretendem viajar para outro país de carro deverão apresentar, além dos documentos exigidos para a vacinação, o comprovante de reserva de hospedagem e um termo autodeclarado de responsabilidade legal pela veracidade das informações apresentadas. O termo está disponível no site da SMS.

A cidade já estava antecipando o esquema vacinal para viagens com fins profissionais ou de estudos, mas agora a antecipação também passa a valer para viagens turísticas.

Com a aproximação das férias e a conclusão de convocação de todos os públicos definidos para receber a primeira dose, a SMS adota essa estratégia para reforçar a imunização, principalmente para aqueles que vão para regiões de menor cobertura vacinal.

“Diante do cenário das variantes que circulam pelo mundo, é importante que os viajantes estejam imunizados para que elas não se espalhem pelo Brasil e para que a população não adoeça”, explica o diretor do Centro de Epidemiologia, Alcides Oliveira.

Segunda dose

Coronavac

Os vacinados apenas com a primeira dose poderão antecipar a segunda a partir de 21 dias da primeira aplicação para o imunizante da Pfizer e 28 dias para o da AstraZeneca.

As pessoas que receberam as duas doses da Coronavac e irão viajar para países que não reconhecem a eficiência deste imunizante poderão receber uma dose de outra farmacêutica que seja aceita pelo país de destino. Neste caso, deverão ser observadas as normas já estabelecidas para a intercambialidade de vacinas. O intervalo mínimo entre a segunda dose e o reforço de outro imunizante deverá ser de 28 dias.

Além da comprovação da viagem, também deverá ser apresentada a comprovação de que o país de destino não reconhece a Coronavac.

Janssen

Para o imunizante da Janssen, a recomendação do Ministério da Saúde é de que a segunda dose/reforço seja da mesma marca.

Em caso de necessidade de viagem e falta da vacina em estoque, a SMS seguirá a regra da intercambialidade da vacina e fará o reforço com imunizante da Pfizer.