Saúde

Vereadores aprovam requerimento solicitando estudo sobre uso facultativo de máscaras

Autores alegam que a pandemia está sob controle no município. Requerimento será enviado ao prefeito Celso Góes

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Vereadores aprovam requerimento solicitando estudo sobre uso facultativo de máscaras
(Foto: Geraldo Bubniak/AEN)

9 de março de 2022 - 10:11 - Atualizado em 9 de março de 2022 - 10:11

A Câmara Municipal de Guarapuava aprovou na terça-feira (8), um requerimento solicitando a prefeitura um estudo para tornar facultativo o uso de máscaras no município. Os autores alegam que os números sugerem que a pandemia está sob controle.

Segundo o vereador Rodrigo Crema, que é médico, faltam estudos suficientes para embasar a continuidade do uso de máscaras e a flexibilização é uma tendência em todo país.

“A utilização inadequada, inclusive, pode causar outros problemas de saúde, pois sabe-se que após três horas de uso ela fica contaminada. E sabemos que a população carente usa a mesma máscara por semanas, reduzindo o nível de proteção a praticamente zero”, afirma

O presidente da câmara, João Napoleão, entende que a realidade é segura para pensarmos na flexibilização e que o debate é necessário.

“Entendemos que temos uma realidade segura para começar a pensar na dispensa deste item de proteção que foi tão importante na pandemia. Então tomamos o cuidado de consultar profissionais e técnicos da área da saúde a respeito e vamos aguardar a posição do Executivo”, explica.

São autores do Requerimento os Vereadores João Carlos Gonçalves, Marcelinho, Paulo Lima, Vardinho, Gilson da Ambulância, Sidão, Celso Costa, Cristóvão da Cruz, Danilo Dominico, Dognei, Joel Barbosa, Marcio Carneiro, Nego Silvio, Professor Saulo e Rodrigo Crema.

A Prefeitura de Guarapuava, através da assessoria de imprensa, informa que o município aguarda um posicionamento do Governo do Estado e que agora as medidas municipais são menos restritivas. De acordo com o boletim divulgado ontem (8), o município está com 334 casos ativos da doença, o menor índice desde janeiro.