Saúde

Regime de vacinação em 2 doses induz menos anticorpos contra Ômicron, diz estudo

O estudo apontou, ainda, não haver indícios de que o nível mais baixo de anticorpos que combatem infecções contra a Ômicron poderia aumentar o risco de doenças graves, hospitalizações ou morte

Reuters
Reuters
Regime de vacinação em 2 doses induz menos anticorpos contra Ômicron, diz estudo
Frascos rotulados como de vacinas contra Covid-19 da AstraZeneca e da Pfizer-BioNTech em foto de ilustração

13 de dezembro de 2021 - 10:02 - Atualizado em 13 de dezembro de 2021 - 11:26

(Reuters) – Regimes de vacinas contra Covid-19 de duas doses não induzem anticorpos neutralizadores suficientes contra a variante Ômicron do coronavírus, descobriram cientistas britânicos, o que indica que um aumento de infecções em pessoas já infectadas ou vacinadas pode ser provável.

Pesquisadores da Universidade de Oxford publicaram nesta segunda-feira (13) os resultados de um estudo, ainda não submetido à comunidade científica, no qual analisaram amostras de sangue de participantes que receberam doses da AstraZeneca-Oxford ou da Pfizer-BioNTech, em um estudo amplo que analisou misturas de vacinas.

Os resultados chegam um dia depois de o primeiro-ministro Boris Johnson alertar que duas doses não bastariam para conter a Ômicron na esteira de descobertas da semana passada da agência de saúde do Reino Unido segundo as quais reforços restauram consideravelmente a proteção contra a variante.

O estudo de Oxford disse ainda não haver indícios de que o nível mais baixo de anticorpos que combatem infecções contra a Ômicron poderia aumentar o risco de doenças graves, hospitalizações ou morte naqueles que receberam duas doses de vacinas aprovadas.

“Estes dados são importantes, mas são só parte do quadro. Eles só analisam anticorpos neutralizadores depois da segunda dose, mas não nos dizem nada sobre a imunidade celular, e isto também será testado”, disse Matthew Snape, professor de Oxford e coautor do estudo.

(Por Pushkala Aripaka em Bengaluru)