Saúde

Profissionais da saúde recebem ajuda de voluntários

O objetivo é fortalecer o sistema imunológico, equilibrar o sistema nervoso e prevenir picos de estresse, decorrentes do trabalho intenso dos profissionais da saúde

Carol
Carol Machado da equipe de estágio RIC Mais, sob supervisão de Larissa Ilaídes
Profissionais da saúde recebem ajuda de voluntários
Profissionais da saúde recebem ajuda de voluntários para prevenir estresse (Foto: reprodução Facebook)

14 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 14 de abril de 2020 - 00:00

Um grupo de voluntários começou uma ação de ajuda aos profissionais da saúde que estão atuando no tratamento dos pacientes com suspeita ou confirmação de covid-19 no Paraná.

A organização Mãos Sem Fronteiras, fez parceria com a direção do Hospital do Idoso Zilda Arns, que prevê a ajuda humanitária durante todo o período de enfrentamento do coronavírus na capital.

Os voluntários são capacitados para o atendimento ao público com o método da instituição, que inclui a meditação e uma técnica terapêutica chamada estimulação neural. Os atendimentos aos profissionais da saúde será feito às segundas e terças, das 10h às 21h.

Ao todo, 10 voluntários vão se revezar nas aplicações da prática integrativa e sessões de meditação. O atendimento é oferecido a todos os profissionais da saúde que quiserem receber as aplicações e participar da meditação, nos intervalos de trabalho, antes do início ou após o fim do expediente.

O objetivo é fortalecer o sistema imunológico, equilibrar o sistema nervoso e prevenir picos de estresse, decorrentes do trabalho intenso dos profissionais da saúde.

O trabalho é coordenado pelos embaixadores do Mãos Sem Fronteiras Pela Paz no Mundo: Lilian Miranda (Brasil) e David Miramond (França), que veio ao país para reforçar as ações da organização no enfrentamento da pandemia.

“É mais uma parceria da organização para dar apoio aos profissionais que estão sofrendo ou podem sofrer com uma carga excessiva de estresse, ocasionando ansiedade e fadiga emocional. Com as sessões, ajudamos a desacelerar pensamentos e descargas hormonais dos estados de alerta. O efeito imediato é a sensação de bem-estar. Depois do expediente, eles vão conseguir relaxar e dormir melhor, o que faz toda a diferença”, conta a embaixadora.  

As equipes de voluntários fizeram treinamento específico para o atendimento com a prática integrativa nos hospitais e já estão atuando em outro centro médico: o Complexo Hospitalar do Trabalhador.

O protocolo de emergência é rápido e seguro, para alcançar o maior número de profissionais da saúde, sem atrapalhar o ritmo dos atendimentos aos pacientes.

Os atendimentos levam de 10 a 20 minutos. É uma técnica simples, mas que tem resultados rápidos. Essa é a nossa maneira de contribuir com quem está socorrendo as pessoas. O objetivo dos voluntários é ajudar quem ajuda. Vamos fazer esse trabalho pelo tempo que for necessário, com muita energia e vontade de contribuir para que tudo fique bem ao fim da pandemia”, conclui a embaixadora.

O Mãos Sem Fronteiras tem um projeto internacional pela paz e proteção do planeta, que mobiliza voluntários em todo o mundo.