Saúde

Surto: OMS confirma 131 casos de Varíola dos Macacos fora da África

Embora o surto seja incomum, ele pode ser contido e limitado, disse a OMS

Reuters
Reuters
Surto: OMS confirma 131 casos de Varíola dos Macacos fora da África
Sylvie Briand, diretora da OMS para Preparação Global para Riscos Infecciosos, durante entrevista coletiva em Genebra

24 de maio de 2022 - 09:48 - Atualizado em 24 de maio de 2022 - 11:38

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta terça-feira (24) que havia 131 casos confirmados de varíola dos macacos e 106 outros casos suspeitos desde que o primeiro foi relatado em 7 de maio fora dos países onde geralmente se espalha.

Embora o surto seja incomum, ele pode ser contido e limitado, disse a OMS, que está convocando mais reuniões para apoiar os Estados-membros com mais conselhos sobre como lidar com a situação.

A varíola dos macacos é uma infecção viral geralmente leve que é endêmica em partes da África Ocidental e Central. Ela se espalha principalmente por contato próximo e, até o recente surto, raramente era vista em outras partes do mundo. A maioria dos casos recentes foi relatada na Europa.

“Encorajamos todos vocês a aumentar a vigilância da varíola dos macacos para ver onde estão os níveis de transmissão e entender para onde estão indo”, disse Sylvie Briand, diretora da OMS para Preparação Global para Riscos Infecciosos.

Ela afirmou que não está claro se os casos são a “ponta do iceberg” ou se o pico de transmissão já passou.

Em declarações na Assembleia Mundial da Saúde em Genebra, Briand reiterou a opinião da OMS de que é improvável que o vírus tenha sofrido uma mutação, mas disse que a transmissão pode estar sendo impulsionada por uma mudança no comportamento humano, principalmente quando as pessoas voltam a socializar à medida que as restrições da Covid-19 vão sendo retiradas no mundo todo.

Muitos, mas não todos, os casos foram relatados em homens que fazem sexo com homens, e Briand disse que é particularmente importante tentar prevenir a transmissão sexual.

GENEBRA (Reuters) – Por Jennifer Rigby e Mrinalika Roy