Saúde

“Nunca houve epidemia de dengue nessa época do ano”, diz secretário de Saúde do Paraná

César Neves tratou do tema durante participação no programa RN Opinião, da Jovem Pan News

Ederson
Ederson Hising com informações da Jovem Pan News
“Nunca houve epidemia de dengue nessa época do ano”, diz secretário de Saúde do Paraná
Secretário de Saúde do Paraná explicou sobre a epidemia de dengue (Foto: Nariman Bark)

20 de abril de 2022 - 17:28 - Atualizado em 28 de abril de 2022 - 14:45

A situação de epidemia de dengue no Paraná foi declarada na terça-feira (19) pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Nesta quarta-feira (20), o secretário de Saúde, César Neves, participou do programa RN Opinião, da Jovem Pan News, e explicou sobre a situação em relação à doença.

“Nunca houve epidemia de dengue nessa época do ano. Tradicionalmente, a gente espera essa situação para os meses mais próximos do verão, a partir de novembro. Nunca houve nessa época. Isso também pode nos trazer um atenuante e com o frio mitigar os efeitos do que houve em 2019”,

afirmou o secretário.

Naquele ano, o estado registrou uma grave epidemia da doença, contabilizando 277 mil casos e 177 mortes causadas pela dengue. “Mas essa crise atual está voltada para uma série de situações inexplicáveis”, indicou Neves.

Leia mais: Cascavel confirma primeira morte por dengue

Segundo ele, além da diferença na época do ano, na epidemia anterior houve predominância do sorotipo 2 da dengue, que, até então, os moradores do estado não estavam expostos. Desta vez, a predominância tem sido do sorotipo 1, do qual os paranaenses já estiveram expostos. “Isso nos traz um alento”, afirmou.

Conforme o boletim da dengue, divulgado na terça pela Sesa, o sorotipo 1 predominou no estado de 1995 até 2018. Entre 2019 e 2020, houve prevalência do sorotipo 2. Agora, o primeiro voltou a prevalecer.

De agosto do ano passado até abril deste ano, 1.050 amostras de exames foram tipificadas no Paraná, sendo que 91% delas foram definidas como do tipo 1 da dengue.

Falta de insumos

Neves afirmou na entrevista que não concorda com o fim da emergência em saúde da pandemia do novo coronavírus por parte do governo federal e que deve ir para a capital federal reivindicar a manutenção por mais 90 dias para garantir o cumprimento de compromissos financeiros relacionados ao combate ao coronavírus.

Ao comentar essa situação, ele também disse que pedirá ao governo federal insumos farmacêuticos, como soro fisiológico e medicamentos, que servirão para o enfrentamento da epidemia de dengue.

“Não estão em falta [no Paraná] hoje, mas há dificuldade de fornecimento pela indústria”,

disse César Neves

Casos e mortes por dengue

De agosto de 2021, quando teve início o atual ciclo epidemiológico, até a terça, o boletim da Sesa contabilizou 80 mil notificações da doença – 14.964 a mais em relação à semana anterior – e cinco mortes no estado.

O boletim informa ainda que 365 municípios têm casos notificados, sendo que 287 tiveram confirmação de casos. Em uma semana, foi registrado o aumento de 39,86% nos casos confirmados, passando de 16.560 para 23.161.

Apoio da população

O secretário pediu apoio da população para combater a epidemia de dengue, visto que o principal meio se dá a nível doméstico. “A estratégia do fumacê ainda existe, mas resolve 30% da nossa encrenca, porque combate o inseto”, explicou.

Segundo ele, é preciso se atentar aos possíveis criadouros do mosquito, como vasos de plantas, pneus, garrafas e entulhos.

Registrou um flagrante? Mande pro WhatsApp do RIC Mais clicando aqui e faça o portal com a gente!