Saúde

Mulher sente que está sendo ‘eletrocutada’ toda vez que toca o rosto

Laura foi diagnosticada com neuralgia do trigêmeo e começou a sentir dores fortes até 25 vezes por dia

Mônica
Mônica Ferreira / Estagiária com informações do Mirror é supervisão de Caroline Berticelli
Mulher sente que está sendo ‘eletrocutada’ toda vez que toca o rosto
(Foto: Imagem: Agência de Notícias Caters)

29 de novembro de 2021 - 17:21 - Atualizado em 29 de novembro de 2021 - 17:21

Laura Cruz, de 28 anos, foi diagnosticada com uma condição considerada extremamente rara: neuralgia do trigêmeo. A doença causa dores fortes e não pode ser tratada com analgésicos. Para ela é como se estivesse sendo eletrocutada toda vez que toca seu rosto.

Laura, que é uma professora do primário, relatou que em janeiro deste ano começou a sentir leves formigamentos no lado direito do lábio. Em semanas, essa ‘pequena’ dor intensificou e se transformou em uma dor aguda e extrema que se espalhou pelo rosto e distorceu sua visão.

Após visitar um especialista, Laura foi diagnosticada com neuralgia do trigêmeo e começou a sentir dores fortes até 25 vezes por dia.

“Estou tomando remédios que supostamente suprimem a dor, mas ainda estou tendo dor irruptiva até 25 vezes por dia e é tão ruim que às vezes grito alto […] Acabei no pronto-socorro depois do meu surto mais recente, onde me disseram para ir para casa, pois não havia nada que eles pudessem fazer”,

contou a jovem.

“Esta doença consumiu completamente a minha vida; não posso escovar os cabelos ou os dentes, comer, dormir, ficar no vento ou tocar meu rosto sem sentir que estou sendo eletrocutada no rosto”, desabafou ela.

Laura se casou recentemente, mas devido à sua medicação atual, ela foi desaconselhada a ter filhos, pois há uma grande chance de causar deformidades. Mas ela está angariando fundos para uma cirurgia que mudará essa situação.

“Nas imagens de ressonância magnética, mostra que tenho vasos sanguíneos enrolados ao redor do nervo e é isso que causou a dor, então estou angariando fundos no GoFundMe para fazer uma operação para descomprimir o nervo e colocar pedaços de revestimento de teflon entre o nervo e os vasos sanguíneos agressores “,

disse Laura.

“Não há cura para isso, então me lembro de ter pensado: como vou viver com isso?”, disse.

A jovem espera ter sucesso no procedimento, que acontecerá no dia 20 de janeiro do próximo ano.

Quer mandar uma sugestão de pauta pro RIC Mais? Descreva tudo e mande suas fotos e vídeos pelo WhatsApp, clicando aqui.