Saúde

Molécula em veneno de cobra inibe reprodução do coronavírus, revela pesquisa brasileira

“A gente tem um receio que as pessoas saiam caçando a jararacuçu pelo Brasil a fora achando que vai salvar o mundo ou a seu grupo, sua família… não é isto”, disse Giuseppe Puorto, diretor do Museu Biológico do Instituto Butantan, que explicou que não é o veneno em si, mas uma molécula específica

Reuters
Reuters
Molécula em veneno de cobra inibe reprodução do coronavírus, revela pesquisa brasileira
Cobra Jararacuçu no Instituto Butantan, em São Paulo

31 de agosto de 2021 - 14:44 - Atualizado em 31 de agosto de 2021 - 15:07

Por Leonardo Benassatto

SÃO PAULO (Reuters) – Pesquisadores brasileiros encontraram uma molécula presente no veneno da cobra jararacuçu capaz de inibir a reprodução do coronavírus responsável pela Covid-19, em um primeiro passo para o possível desenvolvimento de um medicamento contra a doença, anunciaram os cientistas.

De acordo com a pesquisa, que foi publicada este mês na revista científica Molecules, testes realizados em laboratório apontaram que a molécula extraída do veneno do réptil inibiu em 75% a capacidade do vírus se multiplicar em células de macaco.

“A gente conseguiu ver que os peptídios não só inibiam o desenvolvimento do vírus in vitro, dentro da célula, mas a gente também conseguiu ver que ele conseguia inibir uma das proteínas que é importantíssima para o desenvolvimento do vírus, é a fábrica de novos vírus”, disse à Reuters o pesquisador Rafael Guido, professor no Instituto de Física de São Carlos (IFSC), da Universidade de São Paulo (USP), e um dos líderes do estudo.

A molécula é um peptídeo, ou cadeia de aminoácidos, que consegue bloquear uma enzima do coronavírus chamada PLPro, vital para a reprodução do vírus, sem prejudicar outras células. Já conhecido por suas qualidades antibacterianas, o peptídeo pode ser sintetizado em laboratório, disse Guido, tornando desnecessária a captura ou criação de cobras.

“A gente tem um receio que as pessoas saiam caçando a jararacuçu pelo Brasil a fora achando que vai salvar o mundo ou a seu grupo, sua família… não é isto”, disse Giuseppe Puorto, diretor do Museu Biológico do Instituto Butantan. “O componente que foi descoberto é uma fração dentro do veneno, e não é o veneno em si que vai fazer a cura do coranavírus nesse momento.”

Os pesquisadores agora irão avaliar a eficiência de diferentes dosagens da molécula encontrada no veneno da jararacuçu, bem como se ela pode exercer outras funções na célula, como a de proteção, evitando até mesmo que o vírus a invada, de acordo com a Universidade Estadual Paulista (Unesp), onde a pesquisa foi iniciada.

“É o primeiro passo de uma longa caminhada… o processo é muito longo. Esse componente do veneno mostrou para gente nesse trabalho que tem potencial de desenvolvimento ali dentro. Numa longa estrada, a gente deu os primeiros passos”, ressaltou o pesquisador.

Participaram da pesquisa, além da USP e da Unesp, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Sobre a jararacuçu é uma das maiores serpentes do Brasil, podendo medir até 1,80 metro, e vive na Mata Atlântica. A serpente também pode ser encontrada na Bolívia, Paraguai e Argentina.

(Reportagem adicional de Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)