Saúde

HU vai receber mais de R$ 2,5 milhões para ampliar cirurgias eletivas em Cascavel

O montante possibilitará a realização de 1.262 procedimentos

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações da assessoria do Huop
HU vai receber mais de R$ 2,5 milhões para ampliar cirurgias eletivas em Cascavel
(Foto: Reprodução/José Fernando Ogura/AEN)

27 de maio de 2022 - 19:37 - Atualizado em 27 de maio de 2022 - 19:37

O Hospital Universitário do Oeste do Paraná (Huop), em Cascavel, vai receber mais de R$ 2,5 milhões para realização de cirurgias eletivas. A instituição pública foi credenciada para a Campanha “Opera Paraná” e, com o montante, será possível realizar 1.262 procedimentos.

Entre as cirurgias estão 844 da especialidade de ortopedia, 333 cirurgias de aparelho digestivo, 70 cirurgias de genito-urinária e 15 de aparelho circulatório/vascular.

“É um valor importante, tendo em vista que as cirurgias ficaram paralisadas mais de 20 meses em razão da pandemia. Como consequência, gerou uma demanda e um tempo de espera muito longo”, 

explica o diretor geral do Huop, Rafael Muniz de Oliveira. 

Somente na instituição, a fila de espera é de 1,5 mil pacientes e estima-se que mais de 20 mil pacientes também estejam na fila na região. Para que o hospital possa realizar as cirurgias com mais agilidade, é necessária também a instalação do Centro de Cirurgias Programadas (CCP), que recentemente foi aprovada pelo Comitê Intergestores Regional (CIR), órgão vinculado à Secretaria Estadual de Saúde. 

É importante ressaltar que o Huop já é credenciado para a realização de cirurgias eletivas. Atualmente, o hospital tem cerca de 100 cirurgias eletivas contratualizadas por mês. Com a nova estrutura, será possível realizar até 500 procedimentos mensais. 

“O CCP é necessário em razão da nossa demanda cirúrgica de atendimentos urgentes/emergentes que chegam no Pronto Socorro. Em razão disso, o centro cirúrgico precisa ser destinado preferencialmente a estas cirurgias, sendo assim, não é possível marcar uma grande quantidade de eletivas”, 

afirma Rafael. 

O Centro de Cirurgias Programadas depende da aprovação do Comitê Intergestores Bipartite (BIP) e da compra de equipamentos para estruturação do centro cirúrgico. 

“Estamos trabalhando para que o CCP entre em funcionamento o mais breve possível, para que consigamos atender essa demanda e acelerar o tempo de espera da fila”, 

finaliza Rafael.