Saúde

Governo vai usar frota aérea para agilizar transporte da vacina no Paraná

A expectativa é que o Paraná receba as vacinas do governo federal para iniciar a campanha de imunização na próxima semana; a Anvisa ainda não autorizou o uso emergencial de nenhuma vacina no Brasil

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com AEN
Governo vai usar frota aérea para agilizar transporte da vacina no Paraná
Foto: Jonathan Campos/AEN

15 de janeiro de 2021 - 13:00 - Atualizado em 15 de janeiro de 2021 - 14:05

O governo do estado apresentou nesta sexta-feira (15) parte da estrutura logística que será usada na distribuição das vacinas contra a covid-19 no Paraná. Três aviões e um helicóptero serão incorporados à frota de caminhões para agilizar o transporte do imunizante para as 22 regionais de saúde. 

De acordo com a Casa Militar, um novo avião, em fase final de aquisição pelo Paraná, será integrado ao sistema de imunização em até 30 dias. E, se necessário, a frota que atende a Segurança Pública também pode ser utilizada.

“Vamos usar a experiência adquirida no transporte de órgãos para transplante, em que o Paraná é referência, e também nos testes para a covid”, destacou o chefe da Casa Militar, tenente-coronel Welby Pereira Sales.

Com o ingresso das aeronaves, o tempo de deslocamento para que todos os municípios sejam abastecidos é estimado em 48 a 72 horas. “O helicóptero, por exemplo, pode ser utilizado para chegar em locais de difícil acesso”, acrescentou o chefe da Casa Militar.

Vacinação contra a covid-19 no Paraná

O processo de vacinação no Paraná vai seguir o Plano Nacional de Imunização (PNI) elaborado pelo Governo Federal. O Ministério da Saúde espera começar na próxima semana as imunizações dos grupos considerados de risco.

A estimativa é que o Estado receba 100 mil dos 2 milhões de doses do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford e pelo Laboratório AstraZeneca. As vacinas serão importadas do Instituto Serum, um dos centros da AstraZeneca para a produção da vacina na Índia, pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Além disso, destacou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, a expectativa é por outras 300 mil doses do imunizante Coronavac, do laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.

A diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai se reunir no domingo (17) para discutir os pedidos de autorização para uso emergencial dos imunizantes.

De acordo com o secretário, o grupo prioritário estadual é formado por cerca de 272 mil profissionais da linha de frente do combate à Covid-19, índios acima de 18 anos mapeados em comunidades isoladas de 30 municípios do Paraná e idosos que vivem em asilos e casas de repouso.

“Será um processo que deve durar o ano todo, de forma escalonada conforme forem chegando as vacinas. Mas a ideia é conseguir imunizar o grupo de risco em até 90 dias e quatro milhões de paranaenses até o fim de maio”, afirmou Beto Preto.

Material para a vacinação

Os materiais para a campanha de vacinação contra a Covid-19 estão centrados em dois pontos principais de Curitiba: o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), para vacinas e carga seca, e o Ginásio de Esportes do Tarumã, apenas para carga seca.

Desses locais saem todos os produtos que vão garantir o processo de imunização contra o coronavírus em todos os 399 municípios paranaenses. São ao todo 1.850 salas de vacinação.

A estrutura paranaense conta ainda com 21 câmaras frias já adquiridas e outras 180 em processo de aquisição. Mais 31 câmaras frias para armazenamento serão compradas em parceria com o governo federal. O Estado dispõe também de freezers para produção de gelo, equipamentos de ar-condicionado, contêineres refrigerados de 40 pés para armazenamento de 100 mil doses de vacinas, caminhões refrigerados para distribuição de imunizantes e a perspectiva de implantação de câmaras modulares para armazenamento de frios nas Regionais de Saúde.