Saúde

Conselho Regional interdita serviço de enfermagem do Complexo Médico Penal de Pinhais

O Conselho Regional de Enfermagem do Paraná aguardará que a instituição providencie a regularização das situações listadas para que a desinterdição aconteça

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações do Coren-PR
Conselho Regional interdita serviço de enfermagem do Complexo Médico Penal de Pinhais
(Foto: Divulgação/ Coren PR)

6 de julho de 2022 - 09:15 - Atualizado em 6 de julho de 2022 - 09:15

O Conselho Regional de Enfermagem do Paraná (Coren PR) decretou, na manhã desta terça-feira (05), interdição ética do serviço de enfermagem do Complexo Médico Penal (CRM) de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. De acordo com o Departamento de Fiscalização (Defis), que vem acompanhando a situação da instituição, o serviço de saúde apresentava diversas irregularidades.

O Coren PR instaurou uma comissão para avaliar todo o processo e, após análise, o plenário decidiu pela interdição ética do serviço de enfermagem devido aos riscos no atendimento à população encarcerada e aos próprios profissionais de enfermagem.

O Conselho Regional de Enfermagem do Paraná aguardará que a instituição providencie a regularização das situações listadas para que a desinterdição aconteça.

O Coren PR ressalta que tanto o profissional de enfermagem quanto o serviço de saúde devem cumprir rigorosamente a lei do exercício profissional 7498/86 e o decreto 94406/87, cabendo ao Conselho fiscalizar o exercício profissional da enfermagem e impor sanções éticas aos que descumprirem.

“Nossa maior função como um órgão fiscalizador é resguardar não só o profissional de enfermagem, mas também o atendimento à saúde da população. A interdição de uma instituição é feita com base na ausência de condições adequadas de trabalho que supram as necessidades dos que dela dependem, sejam profissionais ou sociedade. É necessário zelar e respeitar o código de ética e fazer valer a lei do exercício profissional”,

disse Rita Franz, presidente do Coren PR.