Política

Vereador de Maripá é expulso de partido, após declarações homofóbicas

A decisão foi tomada, após grande repercussão das falas do parlamentar em sessão no dia 03 de maio

Aline
Aline Cristina / Repórter
Vereador de Maripá é expulso de partido, após declarações homofóbicas
(Foto: reprodução)

10 de junho de 2021 - 11:20 - Atualizado em 10 de junho de 2021 - 11:47

O vereador Donaldo Seling de Maripá, no Oeste do Paraná, foi expulso do quadro de filiados do Cidadania, partido do qual fazia parte. A aprovação foi realizada na terça-feira (08) pelo Diretório Estadual do Cidadania no Paraná.

A decisão foi tomada, após grande repercussão das falas do parlamentar em sessão no dia 03 de maio.  O vereador utilizou da fala para criticar a união homoafetiva entre o ator Paulo Gustavo e Thales Breda.  Paulo Gustavo faleceu em virtude de complicações da Covid-19.

O relator Wanderley Lopes afirmou que as declarações proferidas pelo vereador agridem frontalmente o Estatuto do partido. A informação consta em publicação feita no site oficial do partido.

“O comportamento do Sr. Donaldo Seling, não coaduna com a posição do Cidadania 23 e fere o Estatuto Partidário e seus programas na luta por uma sociedade mais justa, paritária e respeitosa, principalmente das minorias em todas as suas frentes de representação”

Wanderley Lopes – relator

Para finalizar, o relator reafirmou a posição do partido sobre o assunto.

“Essa atitude além de criar uma exposição negativa diante da sociedade brasileira, extrapola a função para o qual o vereador foi eleito e principalmente compromete a luta e os programas partidários do Cidadania 23 que atua em defesa das minorias que há anos lutam por dignidade e respeito, em especial as comunidades LGBTI+”.

Wanderley Lopes – relator

Defesa

Segundo o Altair Pandini, diretor da Câmara de Maripá, Seling apresentou na terça-feira (08) sua defesa à Organização dos Poderes, da câmara municipal. O documento, de  representação, foi criado pela mesa, para análise e possível penalização da conduta do vereador.

Agora cabe à organização, composta por três vereadores, o relatório diante da exposição de Seling, para que a conduta seja votada em plenário. A apreciação será feita por nove vereadores.

A comissão trabalha em sigilo, juntamente com o procurador jurídico da câmara, mas dentre os pareceres que podem ser concluídos pela comissão está a cassação de mandato do vereador. Outras duas penalidades que podem ser decididas é reprimenda por escrita ou a suspensão por 30 dias do parlamentar, sem o recebimento dos vencimentos.

Nossa equipe tentou entrar em contato com o vereador, para que ele pudesse expor sua situação diante do caso, mas não tivemos retorno.

Pedido de desculpas

No dia 24, o vereador leu um pedido de desculpas, durante a sessão, e tratou sua fala como um momento infeliz. Ele reafirmou duas vezes durante a leitura que as palavras ditas não refletem seu pensamento.

“Tratou-se de um momento infeliz, onde consternado pelo conjunto de emoções com os dias difíceis que estamos vivendo, as homenagens às mães que levam uma vida difícil na luta para criarem seus filhos, em especial da lembrança de minha mãe, fiz uma fala isolada e inapropriada, que de forma nenhuma reflete meu pensamento, peço desculpas a todos que possam ter ofendido”.

Donaldo Seling – vereador