Política

Reajuste salarial dos professores do estado é aprovado na CCJ

Por 11 votos a 1 os deputados da Assembléia Legislativa do Paraná (Alep) formaram maioria favorável a nova base de vencimentos

Guilherme
Guilherme Fortunato / Produtor com informações de Adriana Lopes. da RICtv
Reajuste salarial dos professores do estado é aprovado na CCJ
(Foto: Adriana Lopes / RICtv)

8 de dezembro de 2021 - 10:35 - Atualizado em 8 de dezembro de 2021 - 10:42

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou na manhã desta quarta-feira (8) o aumento dos professores vinculados à rede estadual de educação. Por 11 votos a 1 os deputados da Assembléia Legislativa do Paraná (Alep) formaram maioria favorável a nova base de vencimentos anunciada pelo Governo do Estado no início da semana.

A proposta anunciada na última segunda-feira (6) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior prevê aumento de 48,7% do salário dos professores que estão em início de carreira, entre servidores efetivos e temporários, além de ter reflexo na remuneração dos demais docentes que pertencem a outras classes salariais.

Com a nova base de vencimentos, o piso salarial da classe no Paraná sai de R$3.730 para R$5.545. A medida é válida para 40 horas de trabalho por semana. Funcionários do administrativo e professores aposentados não recebem o reajuste. 66 mil profissionais devem receber o benefício.

O investimento do reajuste chega aos R$674 milhões e veio do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Deputado Tadeu Veneri vota contra a proposta

O deputado estadual Tadeu Veneri (PT) foi o único parlamentar contra o reajuste. Em entrevista para RICtv, o deputado defende que o reajuste cria expectativas de valores, mas na realidade não é assim.

“Os professores que tem 40 horas e que já estão concursados não estão em início de carreira. O último concurso foi feito há mais de 10 anos. Os profissionais que são PSS, poucos deles têm 40 horas semanais. O reajuste cria expectativa de valores que serão colocados a disposição dos professores, mas que na realidade quando acontecer não vai ser assim. Outro ponto polêmico é que não tem benefício para aposentados e para parte dos funcionários”, defende o deputado

Deputado Tadeu Veneri foi o único a votar contra o reajuste
(Foto: Adriana Lopes / RICtv)

A proposta será encaminhada para Comissão de Finanças da educação e para plenário até a próxima terça-feira (14).