Política

PP e PSD anunciam seus novos filiados no Paraná

Enquanto o PP fala em candidaturas próprias e fim das coligações, PSD ainda espera o fechamento da janela partidária para anunciar os arranjos eleitorais

Giselle
Giselle Ulbrich
PP e PSD anunciam seus novos filiados no Paraná
(Foto: Divulgação / PP)

13 de março de 2022 - 20:23 - Atualizado em 13 de março de 2022 - 20:23

Dois grandes partidos anunciaram suas novas filiações no Paraná, em grandes eventos realizados no sábado (12): o Partido Progressista (PP), segundo maior partido do estado, e o Partido Social Democrático (PSD). Grandes nomes foram trazidos às duas siglas, o que aumenta a expectativa dos dirigentes em maiores espaços nas eleições de outubro. O PP, inclusive, pleiteia o seu destaque na chapa de Ratinho Júnior.

No PP são nove nomes anunciados, entre eles os deputados federais Evandro Roman, Cristiane Yared e Pedro Lupion.

“É um partido contundente, com grande capilaridade nos municípios. A expectativa é sensacional”,

disse Pedro Lupion.

“Eu fico satisfeita sabendo que a gente continua com a base de governo, mas podendo fazer muito mais diferença”,

pronunciou-se Cristiane Yared.

Também se filiaram ao partido os deputados estaduais Tião Medeiros e o ex-chefe da Casa Civil do governador Ratinho Júnior, o deputado Guto Silva, que é pré-candidato ao Senado.

“Estou hoje iniciando a minha caminhada ao Senado. O PP é um partido que tem porte, estrutura partidária e que quer lançar suas candidadutas próprias. Ninguém aguenta mais essa sopa de letrinhas no horário eleitoral”,

disparou Guto Silva, confiante de que a legenda o levará ao Senado.

Outros nomes que passam a integrar o PP são o presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar), o coronel Malucelli, os esportistas Gisele Miró e Wanderlei Silva, além da liderança bolsonarista Keyla Ávila.

O evento contou ainda com a participação de importantes lideranças políticas como o presidente da Câmara dos deputados, Arthur Lira; o ministro chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira; e o líder do governo na Câmara dos Deputados, deputado Ricardo Barros. Eles falaram sobre o momento político que o país vive e também sobre a importância desse momento de definições políticas para as eleições.

“O PP defende o fim das coligações. Isso é salutar para o eleitor saber o que cada partido tem a contribuir. E tenho muito apoio aqu ino Paraná”,

afirmou Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados.

Ratinho Júnior

Quem também marcou presença nos dois eventos foi o governador Ratinho Júnior. Ele esteve primeiro na festa do PP e depois seguiu para o evento do PSD, que é o seu partido. E ele não deixou claro quais serão os “arranjos” para a sua campanha à reeleição em outubro. Apenas disse que, nos últimos três anos, buscou pacificar e unir a política no estado.

“O Paraná passou muito tempo com briga política e perdeu muitos investimentos com isso. Logo que assumi, trabalhei articular e pacificar a política, unir a bancada federal com os prefeitos. E o resultado veio, temos batido recordes de investimentos, porque o setor produtivo vê com bons olhos essa paz. A velha política ficou para trás”,

disse Ratinho Júnior.

Quanto a qual palanque à presidência da República ele deverá subir e apoiar, ainda é uma incógnita.

“Tenho que esperar o posicionamento do meu partido. O PSD não definiu ainda se terá ou não candidatura própria. Tinhamos o (Rodrigo) Pacheco, que desistiu da corrida à presidência. Tem o convite feito ao Eduardo Leite (governador Rio Grande do sul). Temos o ex-governador do Espírito Santo, Paulo Hartung. Também é público o meu bom relacionamento com o presidente Jair Bolsonaro“,

disse o governador, mostando o quadro ainda indefinido.

Ratinho complementou que ainda não é o momento de definir alianças, nem nomes. Disse que o momento é de filiações partidárias, de ver quem entra e quem sai, para só a partir de 2 de abril, quando a janela partidária se fecha, começar a discutir os arranjos eleitorais.

O PSD também apresentou novos nomes para as próximas eleições: delegado Bradock, bispo Alexandre Mendes e duas mulheres, a deputada Luísa Canziani e a deputada Leandre Dal Ponte.