Política

Partidos condenam ameaças de Bolsonaro e impeachment entra na pauta

Maior partido do Senado, o MDB afirmou que o “texto constitucional tem seus remédios em defesa da democracia”

Reuters
Reuters
Partidos condenam ameaças de Bolsonaro e impeachment entra na pauta
Presidente Jair Bolsonaro discursa para apoiadores em Brasília

8 de setembro de 2021 - 09:43 - Atualizado em 8 de setembro de 2021 - 10:12

SÃO PAULO (Reuters) – Um possível impeachment do presidente Jair Bolsonaro passou a ser discutido por diversos partidos que até o momento não fazem oposição sistemática ao governo, mas que condenaram os discursos de Bolsonaro no dia 7 de Setembro, nos quais o presidente elevou o tom dos ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ameaçou descumprir decisões judiciais.

Em nota, o PSD anunciou que criará uma comissão nesta quarta para acompanhar as próximas manifestações de Bolsonaro e avaliar eventual apoio a um processo de impedimento contra ele.

“A cada dia, vemos aumentar a instabilidade e o PSD está acompanhando essa situação com muita atenção. Temos avaliações de alguns importantes juristas apontando que apenas as falas, as manifestações, seriam razões suficientes para justificar o processo. Vamos acompanhar a conduta do governo para determinar, ou não, a defesa e o apoio a um eventual processo de impeachment do presidente da República”, disse o presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab, ainda na terça, de acordo com nota do partido.

“Tivemos hoje a temperatura mais elevada, manifestações muito duras, acima do tom. Começam a surgir indicativos importantes, que podem justificar o impeachment. A fala de que o presidente não vai acatar decisões judiciais é muito preocupante”, acrescentou.

O PSD tem uma bancada de 34 deputados federais e 11 senadores.

Também em nota na terça, o Cidadania –que tem sete deputados e três senadores com posição frequente contrária ao governo– defendeu o impeachment de Bolsonaro e prestou solidariedade ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, principal alvo dos ataques desferidos pelo presidente em seus discursos da véspera.

“A resposta tem de ser política. E ela começa pelo devido processo de impeachment”, afirma a nota assinada pelo presidente nacional da legenda, Roberto Freire.

Ainda na tarde de terça, o PSDB –cuja bancada tem 33 deputados e sete senadores– anunciou que sua Executiva Nacional se reunirá nesta quarta para discutir a posição do partido sobre a abertura de um processo de impeachment contra Bolsonaro.

O governador de São Paulo, João Doria, um dos pré-candidatos da sigla à Presidência, posicionou-se favoravelmente ao impeachment e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que também disputará as prévias tucanas para o Palácio do Planalto, disse que foi um erro colocar Bolsonaro no poder e é um erro mantê-lo lá.

O presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, também defendeu o impeachment de Bolsonaro após os discursos do 7 de Setembro. A sigla tem 14 deputados federais e nenhum senador.

Em que pese a manifestação de dirigentes partidários colocando o impeachment de Bolsonaro na pauta, esse posicionamento não implica necessariamente em alinhamento das bancadas na Câmara e no Senado, embora seja um indicativo importante.

“Basta”

Em nota conjunta, DEM e PSL –partido pelo qual Bolsonaro se elegeu em 2018 e que ainda abriga apoiadores ferrenhos do presidente mesmo após sua saída da sigla, caso do deputado Eduardo Bolsonaro (SP)– não citaram eventual apoio a um impeachment, mas defenderam dar um “basta nas tensões políticas, nos ódios, conflitos e desentendimentos que colocam em xeque a Democracia brasileira”.

“O PSL e o Democratas entendem que a liberdade é o principal instrumento democrático e não pode ser usada para fins de discórdia, disseminação de ódio, nem ameaças aos pilares da própria Democracia. Por isso, repudiamos com veemência o discurso do senhor presidente da República ao insurgir-se contra as instituições de nosso país”, afirma a nota.

Maior partido do Senado, o MDB também divulgou nota em reação às ameaças de Bolsonaro e, embora não tenha mencionado o impeachment, afirmou no documento que o “texto constitucional tem seus remédios em defesa da democracia”.

“É lamentável o presidente da República usar o Dia da Independência para afrontar os outros Poderes. Parece tentar se desviar dos problemas reais: inflação de alimentos, combustíveis, crise fiscal, hídrica, desemprego e baixo crescimento”, afirma a nota.

Cabe ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que assim como seu partido tem sido um aliado de Bolsonaro, aceitar um pedido de abertura de processo de impeachment contra o presidente. Mais de 100 pedidos neste sentido já foram protocolados e aguardam uma análise de Lira.

Por Eduardo Simões