Política

O apoio do governador impacta na eleição ao Senado?

A eleição ao senado  tem se mostrado uma das mais acaloradas aqui no estado do Paraná. Já estava bastante quente antes da entrada do ex-juiz Sergio Moro na disputa e ficou ainda mais depois dela.

O apoio do governador impacta na eleição ao Senado?
Os candidatos ao Senado Sergio Moro, Álvaro Dias e, ao centro, o governador Ratinho Junior | (Foto: Reprodução/RIC Mais)

5 de agosto de 2022 - 20:02 - Atualizado em 5 de agosto de 2022 - 20:02

Confira tudo sobre as Eleições 2022

Até o dia 15 de agosto, quando se encerra o prazo de registro das candidaturas, o cenário da eleição pode se modificar bastante. Se houver recursos na justiça ou uma eventual tentativa de impugnação do registro do candidato do União Brasil, este prazo poderá se alongar ainda mais. 

Alguns dos candidatos apostam num recall de suas imagens do passado, como é o caso do atual senador Álvaro Dias, do ex-governador Orlando Pessuti e também de Sergio Moro. Outros apostam num discurso de renovação, caso de Aline Sleutjes (pela direita) e Desiree Salgado (pela esquerda). Ainda, temos aqueles que apostam numa transferência de votos de lideranças maiores, que seria o caso, principalmente, de Paulo Martins e Guto Silva.

Aqueles que creditam sua campanha nos apoios recebidos e no potencial de transferência de votos tomam como base principalmente o pleito de 2018, que viabilizou a eleição de candidatos pouco conhecidos ou até mesmo desconhecidos na onda gerada por Bolsonaro. Aqui no Paraná olham para a eleição de Oriovisto Guimarães, que foi alçado ao Senado graças ao apoio recebido do então candidato ao governo, Ratinho Jr. Mas será que esse fenômeno costuma se repetir?

Para responder de forma mais assertiva adotei dois caminhos: um situacional (olhando pesquisas eleitorais) e outro pregresso (olhando os pleitos passados). Vamos ao os dados.

(Fonte: Ipespe)

Como podemos perceber nos dados colhidos pelo Ipespe no início do mês de julho, de todos os políticos mencionados o apoio do atual governador é o mais impactante (positivamente) para a reflexão do eleitor quanto ao seu voto. Vale um alerta aqui: a questão busca avaliar qual a influência de determinado apoio, mas ela não pode ser lida como uma transmissão automática em que o candidato aponta e o eleitor segue.

Contudo,é bastante impressionante que um percentual tão grande de eleitores (⅓) leve em conta a indicação do governador na hora de avaliar seu voto ao senado. Olhando pelas lentes da situação delineada por essa pesquisa, o apoio do governador seria bastante relevante para qualquer candidato que busque disputar a eleição de forma competitiva.

Agora, olhando para as eleições passadas, o que elas poderiam nos dizer sobre o quão determinante foi o apoio do governador? Na tabela abaixo apresento alguns dados das últimas 6 eleições ao governo e ao senado, cobrindo um período de 24 anos. 

AnoCargo/NomeColigaçãoPercentual na eleiçãoAlinhado
2018Governador  Ratinho Jr.Paraná Inovador (PSD, PSC, PRB, PR, PPS, PV, PHS, AVANTE e PODE)59,99% (3.210.712)
2018Senador:
Flávio Arns
Coligação do bem e da verdade para mudar o Paraná (REDE, PPL e DC)23% (2.331.740)NEUTRO
2018Senador: Oriovisto GuimarãesParaná Inovador” (PSD, PSC, PRB, PR, PPS, PV, PHS, AVANTE e PODE)29,17% (2.957.239)COLIGADO
2014Governador Beto RichaColigação Todos pelo Paraná (PSDB, PROS, PSD, PP, PR, DEM, PSB, PTB, SD, PPS, PSC, PEN, PHS, PMN, PSDC, PSL, PTdoB)55,67% (3.301.322)
2014Senador: Alvaro DiasColigação Todos pelo Paraná (PSDB, PROS, PSD, PP, PR, DEM, PSB, PTB, SD, PPS, PSC, PEN, PHS, PMN, PSDC, PSL, PTdoB)77% (4.101.848)COLIGADO
2010Governador eleito  Beto RichaColigação Novo Paraná (PSDB, PP, DEM, PSB, PTB, PPS, PRB, PHS, PMN, PRP, PSDC, PSL, PTC, PTN)52,43% (3.039.774)
2010Senador: Roberto RequiãoColigação A União faz um Novo Amanhã (PDT, PMDB, PT, PR, PSC, PCdoB)24,84% (2.691.557)OPOSIÇÃO
2010Senador: Gleisi HoffmannColigação A União faz um Novo Amanhã (PDT, PMDB, PT, PR, PSC, PCdoB)29,5% (3.196.468)OPOSIÇÃO
2006Governador Roberto RequiãoColigação Paraná Forte (PMDB, PSC)42,81% (2.321.217 – primeiro turno)
2006Senador: Alvaro DiasPSDB50,51% (2.572.481)OPOSIÇÃO
2002Governador  Roberto RequiãoPMDB55,2% (2.681.811)
2002Senador:Osmar DiasColigação Vote 12 (PDT, PPB, PTB, PTN, PRP, PTdoB)30,1% (2.776.250)OPOSIÇÃO
2002Senador: Flávio ArnsColigação Renova Paraná (PT, PHS, PL, PCdoB, PCB)21,6% (1.995.601)NEUTRO
1998Governador eleito  Jaime LernerColigação Movimento Paraná Segue em Frente (PFL, PTB, PPB, PL, PSB, PPS, PSC, PSD, PST, PRN, PRP, PSL, PTN, PTdoB)52,2% (2.031.241)
1998Senador: Alvaro DiasColigação da Social Democracia (PSDB, PSDC)28,3% (2.532.010)NEUTRO

Verifica-se que das 9 vagas de Senador que foram disputadas no período, apenas 2 foram preenchidas por candidatos coligados ao governador eleito. As outras 7 foram preenchidas por candidaturas de caráter neutro ou de apoio não explícito (3 cadeiras) e 4 por candidaturas claramente de oposição.

Pelo que conseguimos captar dos dados e dos eventos passados, podemos responder a pergunta do título dessa coluna da seguinte forma: provavelmente sim, o apoio do governador é importante pela eventual transferência de votos quanto também pela utilização da chamada máquina em prol de determinado candidato, mas não é determinante e nem sempre é suficiente. Ou seja, o eleitor sabe separar as coisas.

WhatsApp

Receba no seu celular tudo o que é mais importante
nas Eleições 2022.

Entre no grupoAo entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.