Política

MP junto ao TCU pede investigação de indicado a CEO da Petrobras

Tribunal quer investigar eventual conflito de interesse na indicação do economista Adriano Pires

Reuters
Reuters
MP junto ao TCU pede investigação de indicado a CEO da Petrobras
Logo da Petrobras em refinaria de Paulínia

2 de abril de 2022 - 12:36 - Atualizado em 2 de abril de 2022 - 13:10

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu à corte que investigue eventual conflito de interesse na indicação do economista Adriano Pires para a presidência da estatal, de acordo com documento visto pela Reuters.

No início da semana, o governo indicou Pires para a presidência da estatal, em substituição ao general da reserva Joaquim Silva e Luna, após o presidente Jair Bolsonaro demonstrar publicamente seu descontentamento com reajustes de preços de combustíveis da Petrobras, que buscou realinhar as cotações locais às internacionais.

A indicação de Pires, fundador da empresa de consultoria Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), foi bem recebida pelo mercado, já que o economista sempre demonstrou ser favorável à política de paridade de combustíveis com o mercado externo. Mas o MP está questionando a indicação, uma vez que o consultor “há mais de 20 anos presta serviços para as principais multinacionais de petróleo, gás e energia”.

Segundo relatório do subprocurador-geral do MP junto ao TCU, Lucas Rocha Furtado, estão presentes “fortes indícios da existência de possível conflito de interesses envolvendo o sr. Adriano José Pires Gonçalves, tendo em vista sua atuação na iniciativa privada, a lançar dúvidas sobre a possibilidade ética e legal de vir a assumir a presidência da Petrobras”.

O pedido do MP foi protocolado no TCU, e o relator será o ministro Antônio Anastasia, informou na véspera o portal de notícias G1.

Agora, a área técnica do tribunal fará uma análise preliminar para decidir se o pedido pode ser acatado ou não.

No documento, Furtado lembrou que em 2018, no governo Michel Temer, Pires tinha sido indicado para assumir uma cadeira no Conselho Nacional de Política Energética, houve questionamentos e Pires desistiu da nomeação.

Procurado neste sábado, Pires preferiu não comentar o pedido de investigação do Ministério Público junto ao TCU. “Não posso falar nada agora, espero que compreenda”, disse ele à Reuters.

No próximo dia 13, em assembleia de acionistas, será definida a nova composição do Conselho de Administração, e a indicação de Pires consta da lista do colegiado.

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI3107X-BASEIMAGE