Política

Mesmo proibidos, disparos em massa pelo WhatsAPP são registrados no Paraná

Candidatos usam ferramentas para acessar eleitores, prática é proibida pelo TSE

Mesmo proibidos, disparos em massa pelo WhatsAPP são registrados no Paraná
(Pré-candidato do PSDB ao governo do Paraná Cesar Silvestri Filho. Foto: Assembleia Legislativa do Estado do Paraná)

17 de maio de 2022 - 13:47 - Atualizado em 18 de maio de 2022 - 10:46

Paranaenses receberam nos últimos dias uma avalanche de mensagens de políticos pelo WhatsApp. A prática, proibida pela Justiça Eleitoral em 2019, parece ter voltado à tona há poucos meses das eleições deste ano. Segundo o colunista Lauro Jardim, do O Globo, usuários da plataforma no Paraná receberam, na última sexta-feira (13), mensagens de remetentes desconhecidos sobre a campanha para o governo do estado, todas iguais e com foco na pré-candidatura de Cesar Silvestri (PSDB).

Os envios teriam sido feitos por números do Rio de Janeiro e de São Paulo que estão cadastrados na ferramenta WhatsApp Business, voltada para empresas e estabelecimentos comerciais. As contas utilizam a bandeira paranaense como imagem de exibição e entram em ação em pelo menos três momentos da tarde de sexta (às 17h, 17h16m e 17h17m), mesmo dia em que partidos passaram a veicular propagandas institucionais na TV e no rádio.

(Foto: Reprodução)

A mensagem divulgada pelo colunista afirma que “a campanha nem começou, mas muita coisa vai mudar” e convida os usuários a assistirem a um vídeo de 30 segundos também enviado pelo PSDB às emissoras locais. A peça publicitária mostra o governador Ratinho Júnior (PSD) e Roberto Requião (PT), seu principal opositor, seguidos de Silvestri, que foi deputado estadual e prefeito de Guarapuava (PR). O tucano é retratado como uma terceira via alternativa à dupla.

Ao O Globo, Silvestri afirmou que desconhece os envios e negou qualquer responsabilidade por eles.