Política

Lula lidera sobre Bolsonaro e terceira via está embrionária, mostra Exame/Ideia

A pesquisa ouviu 1.500 pessoas por telefone entre domingo e quinta; a margem de erro é de 3 pontos percentuais

Reuters
Reuters
Lula lidera sobre Bolsonaro e terceira via está embrionária, mostra Exame/Ideia
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

14 de janeiro de 2022 - 12:17 - Atualizado em 14 de janeiro de 2022 - 13:20

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera as intenções de voto para a eleição presidencial de outubro deste ano à frente do presidente Jair Bolsonaro (PL), apontou pesquisa do instituto Ideia para a revista Exame, que mostrou ainda que o desempenho de nomes alternativos ao petista e ao atual mandatário é embrionário.

Segundo o levantamento, Lula soma 41% da preferência do eleitorado, bem à frente de Bolsonaro que é o segundo com 24%. Na terceira posição está o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (Podemos), com 11%, seguido por Ciro Gomes (PDT) com 7%, pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 4% e pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), com 1%.

O levantamento também simulou um segundo turno entre Lula e Bolsonaro e apontou vitória do petista por 49% a 33%. Lula também venceria Doria –49% a 26%–, Moro –47% a 30%– e Ciro –47% a 25%.

Bolsonaro, por sua vez, perderia também para Ciro –40% a 34% a favor do pedetista–, teria empate técnico com Moro no limite da margem de erro de 3 pontos percentuais –38% a 32% a favor do ex-juiz– e venceria Doria –34% a 28% para o atual presidente.

Na avaliação do fundador do Ideia, Maurício Moura, a chamada terceira via –um candidato que busca romper a polarização entre Lula e Bolsonaro vista neste momento da disputa– ainda é embrionária. Ele pontuou que na pesquisa espontânea, quando não é apresentado ao eleitor uma lista de candidatos, as somas das intenções de voto de Moro, Ciro e Doria não chegam a 10%.

A pesquisa ouviu 1.500 pessoas por telefone entre domingo e quinta-feira. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

(Reportagem de Eduardo Simões e Anthony Boadle)