Política

Justiça indefere pedido da CMC de continuar com sessão de cassação de Renato Freitas

Determinação é que a Câmara conclua primeiro a sindicância que apura e-mail racista recebido pelo vereador, para depois seguir com sessão que decidirá cassação ou não

Giselle
Giselle Ulbrich com informações da RICtv
Justiça indefere pedido da CMC de continuar com sessão de cassação de Renato Freitas
(Foto: Divulgação/CMC)

20 de maio de 2022 - 20:15 - Atualizado em 20 de maio de 2022 - 20:15

O Tribunal de Justiça do Paraná indeferiu um pedido da Câmara Municipal de Curitiba (CMC), que pedia a continuidade da sessão em plenário que definiria o futuro do vereador Renato Freitas (PT). A defesa do vereador, que enfrenta um Processo Ético Disciplinar (PED) na casa, entrou com um pedido na Justiça para barrar a sessão, pedido que foi acatado na quinta-feira (19), data em que ocorreria a sessão, e que com esta última decisão da Justiça, continua valendo.

Conforme a decisão judicial, a CMC precisa primeiro concluir a sindicância aberta na semana passada, para investigar o e-mail que o vereador Renato Freitas recebeu com ameaças e conteúdo racista. A mensagem veio da caixa postal do vereador Sidinei Toaldo (Patriotas), que negou ser autor da mensagem.

Nesta sexta-feira, a Corregedoria da CMC informou que o e-mail não veio da Câmara. A equipe técnica da CMC concluiu que a mensagem veio de um computador da República Tcheca, enviado por um hacker. A vereadora Amália Tortato (Novo), corregedora da CMC, informou que a sindicância sobre isto deve ser concluída dentro de uma ou duas semanas. Desta forma, a sessão em que os vereadores votarão a cassação ou não de Freitas poderá ser continuada na sequência.