Política

Falta de pedágios no Paraná preocupa Feturismo no feriadão: “será necessário muita paciência”

Outro ponto levantado por Aguayo foi com relação ao ferryboat de Guaratuba, no Litoral, mencionando os problemas de infraestrutura

Falta de pedágios no Paraná preocupa Feturismo no feriadão: “será necessário muita paciência”
(Foto: AEN)

14 de abril de 2022 - 12:56 - Atualizado em 14 de abril de 2022 - 13:17

Com o feriado prolongado da Sexta-feira Santa (15) e o domingo de Páscoa (17), e também de Tiradentes, na próxima quinta-feira (21), a Federação das Empresas de Hospedagem, Gastronomia, Entretenimento e Similares (Feturismo) pediu paciência e atenção redobradas para os condutores que forem transitar pelas rodovias paranaenses.

Uma das preocupações do diretor da instituição, Fábio Aguayo, é com relação diminuição de obras e de ações de manutenção das vias. Com o fim dos contratos de pedágio em grande parte das BRs paranaenses, é agora função dos órgãos públicos trabalhar na prevenção de acidentes e segurança dos motoristas. “Por enquanto, nesses próximos dias e períodos, será necessário muita paciência nas estradas”, diz Aguayo.

“Está nítido que sem os devidos cuidados preventivos e necessários, especialmente na iluminação e sinalização adequada, mais acidentes fatais e leves vão ocorrer, sem o pronto atendimento de que todos estavam acostumados”,

afirma Aguayo.

Outro ponto levantado por Aguayo foi com relação ao ferryboat de Guaratuba, no Litoral, mencionando os problemas de infraestrutura – como a necessidade de manutenção e a retirada de balsas para melhorias no local.

De acordo com ele, existe um esforço das entidades do litoral e de todo o estado, principalmente das prefeituras e governo, para que na próxima temporada e feriadões, a realidade seja outra. “A luta é para garantir a todos mais sossego e menos transtornos aos moradores e turistas que vão ao litoral, e nos demais pontos turísticos do Paraná”, afirma.

É fundamental atender a expectativa de que as melhorias estarão vindo durante todo o ano de 2022. “A situação precisa melhorar. Por enquanto, é fundamental ter mais atenção e o triplo de paciência para garantir segurança nos deslocamentos terrestre e marítimo. São momentos delicados. Acreditamos que é passageiro e estamos otimistas com isto”,

conclui Aguayo.