Política

Bolsonaro entra com ação no STF para proibir corte de abrir inquéritos sem aval do MP

A alegação é de que o uso do artigo do regimento interno para abrir investigações fere preceitos constitucionais e “os direitos fundamentais dos acusados nos procedimentos inquisitórios dele derivados”

Reuters
Reuters
Bolsonaro entra com ação no STF para proibir corte de abrir inquéritos sem aval do MP
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto

20 de agosto de 2021 - 10:08 - Atualizado em 20 de agosto de 2021 - 10:37

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro entrou na noite de quinta-feira (19) com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a anulação de artigo do regimento interno da corte que permite a instauração de inquéritos de ofício –sem um pedido do Ministério Público Federal, como foi o caso do inquérito das Fake News.

A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), apresentada pela Advocacia-Geral da União em nome do presidente pede que o artigo 43 do regimento seja suspenso em decisão liminar até que seja julgado pelo pleno do STF.

A alegação é de que o uso do artigo do regimento interno para abrir investigações fere preceitos constitucionais e “os direitos fundamentais dos acusados nos procedimentos inquisitórios dele derivados”.

A ação, assinada pelo novo advogado-geral da União, Bruno Bianco, e pelo próprio presidente, é mais uma peça na ofensiva de Bolsonaro contra o que vê como ameaças do STF. Em outra ponta, Bolsonaro insiste também com a intenção de entrar com pedidos de impeachment no Senado contra os ministros do STF Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, apesar de ter sido aconselhado a desistir do assunto, que deve terminar enterrado pelo Senado.

O inquérito visado pelo presidente foi aberto em março de 2019, de ofício, pelo então presidente da corte, Dias Toffoli, para investigar notícias falsas e ataques constantes aos membros do STF. O ministro Alexandre de Moraes, hoje um dos alvos da fúria de Bolsonaro, foi designado como relator.

A AGU alega, entre outros pontos, que o inquérito está sendo usado para investigar fatos diversos, sem relação uns com os outros, a não ser possíveis ataques ao STF.

“Trata-se de um mosaico de fatos sem nenhuma relação aparente de conexão concreta, que foram submetidos ao escrutínio investigatório de um mesmo Ministro Instrutor/Relator apenas por se enquadrarem em uma ‘classe de fatos’ – a hostilidade à dignidade da jurisdição do Supremo Tribunal Federal”, diz a ação.

A AGU alega ainda que há uma “sequência de atos processuais absolutamente discrepantes” de outras investigações. Entre essas discrepâncias, inclui um suposto direcionamento de inquéritos para Alexandre de Moraes, a participação do ministro, que é instrutor e relator dos casos, no julgamento de pessoas investigadas com prerrogativa de foro, e “a reiterada minimização do papel institucional da Procuradoria-Geral da República” nos inquéritos.

Além de citar o descumprimento de preceitos fundamentais, a AGU acusa o STF de omissão por não bloquear esses descumprimentos e não fazer uma alteração regimental que eliminem os riscos.

“Afinal, há violação persistente e difusa de direitos fundamentais dos acusados, há uma omissão do Supremo Tribunal Federal em neutralizar os atos destoantes dos preceitos fundamentais e há um claro bloqueio institucional para o aperfeiçoamento da temática, já que alteração regimental é dependente da iniciativa da Suprema Corte, razão pela qual somente ela pode reparar as violações constitucionais em andamento”, diz a ação.

A PGR tentou por mais de uma vez interromper o andamento do inquérito, sem sucesso. Apesar de ter sido aberto por decisão de Toffoli, a investigação terminou sendo mantida em decisão do plenário do Supremo em junho de 2020, mais de um ano após sua abertura. Nesse meio tempo, o aumento dos ataques ao STF e aos ministros, terminou unindo o tribunal em torno do inquérito, apesar das dúvidas jurídicas suscitadas inicialmente.

O inquérito tocado por Alexandre de Moraes é visto por Bolsonaro e seu entorno como o que traz mais riscos para o presidente e seus familiares, já que visa pessoas intimamente ligadas ao bolsonarismo mais radical.

Além disso, recentemente o próprio presidente foi incluído na investigação, a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por divulgar informações falsas sobre o processo eleitoral.

A ação foi apresentada na noite de quinta ao STF, mas ainda não foi definido um relator.

Por Lisandra Paraguassu