Política

Bolsonaro defende que Brasil use sistema de votação do Paraguai

Especialista alegam que essa urna com votos impressos é muito mais vulnerável a fraudes e que pode ser manipulada para alterar votos, não servindo para auditoria da urna eletrônica

Reuters
Reuters
Bolsonaro defende que Brasil use sistema de votação do Paraguai
Funcionária da Justiça Eleitoral prepara urna eletrônica para eleição de 2018

5 de agosto de 2021 - 14:26 - Atualizado em 5 de agosto de 2021 - 16:24

(Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro afirmou mais uma vez nesta quinta-feira (5) que as urnas eletrônicas não permitem a auditoria da votação e defendeu que o Brasil utilize o sistema do Paraguai, onde cada voto é também impresso e cai numa urna ao lado da eletrônica.

Em entrevista a uma rádio do Rio de Janeiro, Bolsonaro voltou a fazer acusações sem provas contra a segurança das urnas, depois de ter vazado um inquérito da Polícia Federal sobre um ataque hacker no início de 2018 ao Tribunal Superior Eleitoral.

De acordo com o TSE, o ataque de fato chegou ao código fonte das urnas eletrônicas, mas não a ponto de fazer alterações que pudessem levar a fraudes, e medidas de segurança adicionais foram incorporadas antes das eleições.

Bolsonaro disse que deseja ver adotado no Brasil o sistema do Paraguai, onde, segundo ele, ao votar o eleitor vê ser impresso uma versão de seu voto, mas não pode pegá-lo. Se confirmar, o voto impresso é colocado automaticamente em uma urna lacrada, mas que pode ser aberta posteriormente para ter os votos contados.

Especialista alegam que essa urna com votos impressos é muito mais vulnerável a fraudes e que pode ser manipulada para alterar votos, não servindo para auditoria da urna eletrônica.

Por outro lado, o TSE já afirmou várias vezes que o voto na urna eletrônica é auditável, que o sistema é confiável e que a utilização do voto impresso implicaria em maiores riscos de fraudes e manipulação, incluindo a segurança no transporte das urnas com votos impressos.

Em entrevista a uma rádio do Rio de Janeiro, Bolsonaro voltou a dizer que seu interesse é apenas pela transparência das eleições e que o governo federal fornecerá os recursos necessários para que o TSE faça as modificações necessárias para o voto impresso.

Acusou, ainda, o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, de ter interesse em manter o atual sistema, insinuando um complô para impedir sua reeleição.

A aprovação na mudança do sistema de urna eletrônica, no entanto, não depende do TSE, mas do Congresso. A Comissão Especial que analisa a proposta tem reunião marcada para a tarde desta quinta-feira (5) e a tendência, até agora, é que os governistas sejam derrotados, mas o texto pode ainda ser tirado de pauta.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)