Política

Bolsonaro diz que reajuste do Bolsa Família não deve chegar a 100%

O presidente deve ir ainda na manhã desta segunda-feira (9) ao Congresso levar a medida provisória com as modificações no programa, que terá seu nome alterado para Auxílio Brasil

Reuters
Reuters
Bolsonaro diz que reajuste do Bolsa Família não deve chegar a 100%
Presidente Jair Bolsonaro durante passeio de moto com apoiadores em Brasília

9 de agosto de 2021 - 10:18 - Atualizado em 9 de agosto de 2021 - 12:14

Ver Post

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta segunda-feira (9) que o reajuste no valor médio do Bolsa Família não deve chegar a 100%, como ele mesmo chegou a cogitar na semana passada, mas garantiu um aumento acima de 50%.

Em entrevista a uma rádio online da Bahia, Bolsonaro afirmou que gostaria de dobrar o valor do benefício –que passaria dos atuais 192 reais em média para quase 400 reais–, mas que não pode “ser irresponsável com a economia”.

“Estamos em fase quase final de definirmos um novo valor do Bolsa Família. Nós acertamos aqui no mínimo 50% de reajuste no Bolsa Família. Nós queremos 100%, mas temos que ter responsabilidade. A economia não pode quebrar. Se quebrar a economia não adianta você ganhar 1 milhão de reais por mês que você não vai dar para comprar um pãozinho.”

A ideia de reajuste de 100% no Bolsa Família veio de pressões políticas para encorpar o programa mirando as eleições de 2022, mas enfrenta resistência da equipe econômica, que tem tido dificuldades para encontrar orçamento até mesmo para o reajuste de 50%.

O presidente deve ir ainda na manhã desta segunda (9) ao Congresso levar a medida provisória com as modificações no programa, que terá seu nome alterado para Auxílio Brasil. O texto, no entanto, não deverá ter ainda o reajuste do programa.

Bolsonaro entregará ainda ao Congresso a Proposta de Emenda à Constituição que altera o pagamento de precatórios –dívidas judiciais da União-– e cria um fundo extra-teto de gastos com recursos que devem vir de privatizações para ajudar a pagar o novo programa social.

Por Lisandra Paraguassu