Política

Aumento do Fundão Eleitoral é aprovado no Congresso Nacional; veja como votaram deputados do PR

Após aprovação no Congresso Nacional tema foi encaminhado ao Senado, que também aceitou o veto da proposta presidencial

Guilherme
Guilherme Becker / Editor com informações da Agência Senado e de Marc Sousa, da RICtv
Aumento do Fundão Eleitoral é aprovado no Congresso Nacional; veja como votaram deputados do PR
(Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

20 de dezembro de 2021 - 10:50 - Atualizado em 20 de dezembro de 2021 - 10:51

Após votação no Congresso Nacional – entre Senadores e Deputados – o aumento do Fundão Eleitoral foi aprovado. A decisão vai contra o veto presidencial, que se posicionou contrário à possibilidade de expansão do valor do fundo eleitoral para 2022. Com isso, o valor destinado aos partidos políticos na Lei Orçamentária Anual (LOA) para campanhas eleitorais poderá chegar a R$ 5,7 bilhões.

Ao todo, 26 deputados paranaenses participaram da votação e 17 votaram pela derrubada do veto, que significava o aumento do valor do Fundão Eleitoral para R$ 5,7 bilhões. Veja os deputados que votaram pelo aumento:

  • Aliel Machado (PSB-PR) 
  • Aroldo Martins (Republican-PR) 
  • Christiane de Souza Yared (PL-PR) 
  • Enio Verri (PT-PR)
  • Felipe Francischini (PSL-PR) 
  • Giacobo (PL-PR) 
  • Gleisi Hoffmann (PT-PR)
  • Hermes Parcianello (MDB-PR) 
  • Leandre (PV-PR) 
  • Luciano Ducci (PSB-PR) 
  • Luisa Canziani (PTB-PR) 
  • Osmar Serraglio (PP-PR) 
  • Pedro Lupion (DEM-PR) 
  • Ricardo Barros (PP-PR)
  • Roman (Patriota-PR) 
  • Sergio Souza (MDB-PR)
  • Zeca Dirceu (PT-PR) 

Deputados que votaram contra o aumento do Fundão Eleitoral:

  • Aline Sleutjes (PSL-PR) 
  • Diego Garcia (Podemos-PR)
  • Filipe Barros (PSL-PR) 
  • Gustavo Fruet (PDT-PR) 
  • Luizão Goulart (Republican-PR) 
  • Paulo Eduardo Martins (PSC-PR) 
  • Rossoni (PSDB-PR)
  • Rubens Bueno (Cidadania-PR) 
  • Sargento Fahur (PSD-PR) 

Fundão aprovado no Senado

O valor final do fundo eleitoral ainda será definido na LOA, que será votada na próxima semana pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) e depois pelo Plenário do Congresso. Os senadores que defenderam a derrubada do veto ressaltaram que o dinheiro para as campanhas eleitorais ainda não está carimbado, e pode vir a ser menor do que o valor máximo autorizado. O senador Marcelo Castro (MDB-PI) disse que estava havendo uma “confusão” quanto ao tema.

“Dizer que obrigatoriamente o fundo ficará em R$ 5,7 bilhões, isso não corresponde à realidade. O relator-geral [da LOA] tem o poder de estabelecer o valor do recurso destinado ao fundo eleitoral, que poderá ser entre R$ 2 bilhões e R$ 5,7 bilhões. Isso vai depender, evidentemente, do entendimento entre todas as lideranças. Ninguém vai sair rasgando dinheiro público. Não vamos permitir uma extravagância dessas. Mas é o recurso mínimo e indispensável para que possa haver uma campanha legítima”

argumentou Castro.

O senador José Aníbal (PSDB-SP), por sua vez, lamentou a decisão do Congresso. Ele classificou como “exorbitante” o valor previsto para o fundo e estimou que isso sustentaria um ano inteiro de auxílio emergencial para 1 milhão de famílias.

“Toda vez que a política se monetiza muito, aquilo que é a função crucial da atividade política, que é promover políticas públicas de qualidade, vai perdendo valor. Passa a ser uma disputa feroz em torno de recursos eleitorais, que, por mais lícitos que sejam, transcendem qualquer razoabilidade. Muitas vezes é o Parlamento que fragiliza a democracia por atitudes desdenhosas, que acabam distanciando a sociedade”,

contou Aníbal.

Desde 2018 a legislação eleitoral não permite mais que pessoas jurídicas façam doações para candidatos. O financiamento de campanhas pode ser feito pelo próprio candidato (até um limite de 10% do teto para o cargo), por doações de pessoas físicas e pelo fundo eleitoral. O senador Carlos Portinho (PL-RJ) afirmou que o fundo garante uma igualdade de condições entre os participantes das eleições.

“Numa eleição em país continental, em que há uma infinidade de candidatos, é preciso dar os meios para que aqueles mais desfavorecidos economicamente possam ter o mínimo de igualdade na disputa: candidatos novos, candidatos de partidos menores, que têm dificuldade na arrecadação. Acreditar que o particular vai financiar a campanha eleitoral, a pessoa física, não é crível”,

pontuou Portinho.

O senador Alessandro Vieira (CIdadania-SE) questionou esse raciocínio, observando que não existem critérios claros de distribuição do fundo eleitoral entre os candidatos, o que, ressaltou ele, confere muito poder aos líderes partidários que gerenciam o dinheiro. Alessandro também fez objeção à premissa de que o fundo eleitoral precisa substituir o volume de doações empresariais que eram permitidas até recentemente.

“Eu não escuto uma palavra dos líderes no sentido de baratear a campanha, reduzir custos, se aproximar do eleitor. Só essa conversa de que é preciso bilhões de reais do nosso bolso para financiar candidaturas espalhadas pelo país afora”,

comentou Vieira.

Segundo o texto da LDO, o fundo eleitoral será composto por recursos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e por dotações orçamentárias da LOA. Seu valor mínimo deve ser equivalente a 25% do orçamento da Justiça Eleitoral em 2021, o que significa cerca de R$ 2 bilhões.

Fonte: Agência Senado