Política

Hang dribla pressão na CPI sobre defesa de tratamento de Covid com medicamentos sem eficácia

Hang disse que não financiou notícias falsas durante a pandemia e também afirmou que não é negacionista

Reuters
Reuters
Hang dribla pressão na CPI sobre defesa de tratamento de Covid com medicamentos sem eficácia
Empresário Luciano Hang presta depoimento à CPI da Covid no Senado

29 de setembro de 2021 - 17:50 - Atualizado em 29 de setembro de 2021 - 18:43

BRASÍLIA (Reuters) – O empresário bolsonarista Luciano Hang procurou driblar senadores críticos ao governo durante o depoimento que prestou nesta quarta-feira (29) à CPI da Covid do Senado, em uma sessão marcada por forte embate entre parlamentares e o depoente e que chegou a ser temporariamente suspensa em razão de um tumulto.

Hang foi convocado a depor para explicar suspeitas de propagar a defesa de medicamentos sem eficácia contra Covid-19, inclusive tendo supostamente financiado a compra desses remédios.

No depoimento, o empresário negou que seja negacionista, mas defendeu tratamentos precoce e preventivo, tendo autorizado o uso desse tipo de medicação no tratamento de sua mãe, que posteriormente veio a falecer da doença.

Hang admitiu que fez reuniões com empresários de Brusque (SC) para arrecadar recursos a fim de comprar medicamentos do que ficou conhecido como kit Covid para distribuir na rede hospitalar da região.

“Nós fomos pras cidades juntamente com pessoas da minha cidade pra ver o que estava sendo feito nessas cidades que deu certo”, disse ele, que fez a arrecadação dos recursos e a doação do dinheiro.

O empresário negou fazer parte do chamado gabinete paralelo, grupo fora do governo que defenderia a adoção do kit Covid nem ter financiado qualquer esquema de divulgação de disseminação de fake news.

Tumulto

A CPI da Covid chegou a suspender temporariamente os trabalhos após um tumulto em que um dos advogados de Hang teve um embate com o senador Rogério Carvalho (PT-SE), que disse ter sido desacatado.

Inicialmente, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), decidiu retirar o advogado da sala da comissão sob a alegação de ter havido desrespeito a um parlamentar, o que levou a uma acalorada discussão com parlamentares aliados do governo. Aziz, então, suspendeu temporariamente os trabalhos.

Não foi possível ouvir pela transmissão da TV Senado o que defensor de Hang falou ao senador.

Na volta da sessão, o advogado de Hang –que não se identificou nominalmente– pediu desculpas a Rogério Carvalho. Omar Aziz reconsiderou sua decisão e permitiu a continuidade do defensor do empresário na sala.

Por Ricardo Brito