Política

Após PF negar crime de interferência, Bolsonaro chama Moro de ‘traíra e mentiroso’

PF concluiu que Bolsonaro não interferiu na PF e isentou Moro de responsabilidade criminal

Reuters
Reuters
Após PF negar crime de interferência, Bolsonaro chama Moro de ‘traíra e mentiroso’
Bolsonaro e Moro participam de cerimônia no Palácio do Planalto em 2019

31 de março de 2022 - 20:11 - Atualizado em 31 de março de 2022 - 20:57

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro acusou nesta quinta-feira (31) seu ex-ministro da Justiça Sergio Moro de mentir e de ser “traíra” ao comentar conclusão da Polícia Federal em inquérito que apurava possível ingerência do mandatário no comando da corporação.

A investigação foi aberta pelo Supremo Tribunal Federal (STF) há cerca de dois anos a pedido do procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras, para apurar se Bolsonaro ou Moro, que fez a acusação de interferência, teriam cometido crime.

“Sergio Moro além de traíra é mentiroso”, disse o presidente na tradicional live semanal transmitida pelas redes sociais.

Em relatório encaminhado ao Supremo na véspera, a Polícia Federal informou ter concluído que Bolsonaro não cometeu crime, além de isentar Moro de responsabilidade criminal.

Foi Moro quem acusou o presidente de ingerência no comando da PF em abril de 2020, quando deixou o cargo de ministro da Justiça do governo.

Bolsonaro, que busca a reeleição, vê Moro como um de seus adversários na disputa eleitoral.

O ex-ministro e ex-juiz, no entanto, colocou sua pré-candidatura ao Planalto em modo de espera nesta quinta-feira. Moro deixou o Podemos e migrou para o União Brasil, e anunciou que abre mão da intenção de disputar a Presidência da República “nesse momento”.