Notícias

Vice da CPI da Covid quer convocar presidente da CBF para explicar Copa América no Brasil

Reuters
Reuters
Vice da CPI da Covid quer convocar presidente da CBF para explicar Copa América no Brasil
Copa América

31 de maio de 2021 - 17:04 - Atualizado em 31 de maio de 2021 - 17:05

Por Ricardo Brito

(Reuters) – O vice-presidente da CPI da Covid do Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou nesta segunda-feira um requerimento de convocação do atual presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, para explicar a decisão de se aceitar a Copa América no Brasil, em meio a críticas sobre a realização do campeonato de futebol no país.

“Nossa missão é apurar fatos e estancar essa crise, evitando mais mortes. Para isso, precisamos fortalecer a ciência, adquirir mais vacinas, fortalecer o SUS e proteger o povo!”, disse Randolfe no Twitter.

O requerimento do vice da CPI cita o fato de que o país já registrou 460 mil mortes por Covid-19 e está na “iminência de uma terceira onda da doença”.

Pouco depois de Randolfe, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), outro integrante da comissão, fez críticas à realização do evento no país.

“Já tivemos presidentes conhecidos por ‘atravessar a rua para pisar na casca de banana do outro lado’. Bolsonaro segue a mesma linha. Não existe nenhuma lógica em aceitar a realização da Copa América em plena pandemia, com risco de 3ª onda. A estupidez realmente não tem ideologia”, criticou ele, no Twitter.

Mais cedo, o relator da CPI da Covid no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que a realização da Copa América no Brasil é um “campeonato da morte”.

“Com mais de 462 mil mortes, sediar a Copa América é um campeonato da morte. Sindicato de negacionistas: governo, Conmebol e CBF. As ofertas de vacinas mofaram em gavetas mas o ok para o torneio foi ágil. Escárnio”, disse ele, no Twitter.

As queixas de Renan e Randolfe divergem da feita mais cedo pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), que disse não ver grandes problemas na realização do torneio no país, desde que sejam adotadas medidas sanitárias para evitar, por exemplo, a disseminação de novas cepas do coronavírus.

Aziz argumentou que já estão em curso alguns campeonatos no país, sem a presença de público, e ponderou que muitos dos países envolvidos na Copa América são nações vizinhas.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH4U0SM-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.